Professor é constrangido nos Jogos da Primavera

Escrito por sintese Ligado .

O professor Marcelo Silva Santos, do Colégio Estadual Dr. Luis Garcia, localizado no município de Brejo Grande, esteve na sede do SINTESE na manhã desta segunda-feira, 25 para relatar que foi constrangido durante a realização de atividades nos XXV Jogos da Primavera, iniciados na última quinta-feira pelo Departamento de Educação Física da Secretaria de Estado da Educação.

Formado pela Universidade Federal de Sergipe em 2004, o professor inscreveu duas equipes para participar dos Jogos da Primavera, sendo uma de Voleibol e outra de Basquetebol.

O primeiro jogo foi realizado na sexta-feira, na quadra do Cotinguiba Esporte Clube, sem nenhum problema e no sábado, durante a segunda partida de voleibol feminino no Colégio Amadeus, o educador ficou surpreso ao ser abordado por um fiscal do Conselho Regional de Educação Física(CREF-Se), dando conta de que não podia atuar por não ser credenciado ao órgão.

Marcelo Silva possui em seu currículo, atuações específicas na área, inclusive tendo desenvolvido atividades por um período de dois anos na Universidade Federal de Sergipe. O Artigo 39 do Regulamento dos Jogos da Primavera é claro quando cita que a função do técnico das equipes inscritas, será obrigatoriamente exercida por professores licenciados em Educação Física, acadêmicos de Educação Física e por profissionais credenciados pelo Conselho Regional de Educação Física(CREF)/Conselho Federal de Educação Física(CONFEF).

Ciente de estar devidamente habilitado a atuar como professor de Educação Física licenciado, a partir do momento que recebeu diploma, de acordo com as normas do Ministério da Educação – MEC, Marcelo Silva ressalta que outros profissionais estão sendo autuados por não serem credenciados ao CREF.

“Fui abordado indevidamente por uma pessoa que interpretou o regulamento de forma distorcida. O regulamento diz que professores licenciados e acadêmicos podem atuar nos Jogos da Primavera e eu já sou formado há quatro anos. E o pior, constrangido perante minhas alunas. O fiscal ainda por cima entregou o auto de orientação nas mãos de uma delas, determinando o credenciamento junto ao CREF em 30 dias.

Espero que a Secretaria de Estado da Educação, se posicione, pois a partir do momento em que a inscrição das equipes foi aceita, eu jamais poderia ser abordado quando exercia minhas atividades”, entende.

O Setor Jurídico do SINTESE já começou a tomar as devidas providências, para que fatos como este não venham a se repetir com profissionais do magistério, que precisam ser respeitados e não constrangidos, principalmente perante os alunos.