Governo reafirma pagamento de recuperação da carreira do magistério em dezembro

Escrito por Caroline Santos Ligado .

O governador Belivaldo Chagas garantiu em audiência realizada na última terça, dia 04, que o início da recuperação da carreira do magistério será pago nos salários de dezembro

Membros da direção do SINTESE foram recebidos pelo governador Belivaldo Chagas. A audiência tinha sido solicitada pelo sindicato há várias semanas, mas só ontem (dia 04), foi realizada. Na pauta a garantia do pagamento da recuperação da carreira, reajuste do piso para 2019, Ensino Médio em Tempo Integral, Currículo, Projetos de Lei que envolvem a Educação e 13º salário. A audiência contou também com as participações dos secretários da Educação, Josué Passos; Comunicação, Sales Neto e Casa Civil, José Carlos Felizola e a deputada estadual Ana Lúcia.

Com relação ao pagamento da recuperação da carreira para este mês de dezembro, o governador garantiu que será feito no mês de dezembro. Após muita luta, os integrantes do magistério conseguiram a recuperação de 15% da carreira no escalonamento vertical (níveis de formação) e no horizontal (1% a cada 3 anos totalizando 10% no final de carreira). Com isso se terá recuperado no escalonamento do Nível Médio para Nível Superior 6%, e nos demais níveis se terá a seguinte recuperação 7,5% para Pós-Graduação, 9,3% para Mestrado e 15% para Doutorado.

Reajuste do piso

A presidenta do SINTESE, professora Ivonete Cruz colocou a necessidade de o Estado garantir o reajuste do piso, na carreira, em 2019, para que recuperação da carreira não seja perdida. “É preciso que o governo faça cálculos, estudos, previsões. A categoria compreende que a retomada não será de uma só vez, mas ela precisa ser garantida nos próximos anos, pois ter a Educação como prioridade é também valorizar o magistério”, apontou.

O governador disse que conversará sobre o reajuste do piso no dia 20 de janeiro, quando já tiver as contas de 2018 fechadas e, provavelmente, o Ministério da Educação ter anunciado o índice de reajuste para 2019.

Ensino Médio em Tempo Integral

Mais uma vez a direção do SINTESE reafirmou a necessidade da Secretaria de Estado da Educação em interromper o processo de implantação do Ensino Médio em Tempo Integral nas escolas da rede estadual, pois a situação só está ficando mais grave.

“Os problemas sejam na questão pedagógica ou de estrutura nas escolas onde funciona o Ensino Médio em Tempo Integral só se agravam. A Secretaria de Estado da Educação precisa urgentemente interromper esse processo e avaliá-lo e rediscuti-lo, pois o modelo implantado em Sergipe só exclui o estudante”, disse Ivonete.

Currículo

O sindicato colocou a preocupação com o currículo aprovado pelo Conselho Estadual de Educação, pois apesar de ter sido elaborado a partir da versão da Base Nacional Comum Curricular, a versão sergipana além de apresentar conteúdos, diz também quais são atividades que o professor deve fazer na sala de aula, é uma invasão sem precedentes no plano de trabalho do professor, ferindo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação.

Liberdade de Cátedra do Professor (a)

Diante da ameaça da lei da escola sem partido, defendida pelo governo Bolsanaro, que visa o amordaçamento do professor, o SINTESE solicitou ao governador que enviasse projeto de lei que garantisse a liberdade de cátedra do professor em nossas escolas. Belivaldo aceitou, e a deputada Ana Lúcia que estava na audiência a convite do governo, acordou com o chefe do Poder Executivo de apresentar o projeto para aprovação e sanção.

Décimo terceiro

O anúncio do governo de que dividiria o pagamento da segunda parcela do décimo terceiro também foi abordado na audiência. Considerando que os recursos para o pagamento dos professores são oriundos do FUNDEB, o sindicato solicitou que o governo avaliasse a possibilidade do pagamento da segunda parcela ser feito na totalidade no mês de dezembro.

O governador disse que irá verificar as receitas e dará retorno ao sindicato.