Frei Paulo: escolas estaduais com uma série de problemas

Escrito por Caroline Santos Ligado .


O município de Frei Paulo, na região Agreste, tem 15.600 habitantes e duas unidades de ensino da rede estadual. Uma é a Escola Estadual Martinho Garcez e a outra é o Colégio Estadual Prof. Gentil Tavares da Mot.
Ambas somam, de acordo com o site da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura – SEDUC, 1162 estudantes (Ensino Fundamental, Médio e Educação para Jovens e Adultos) em 2019, mas os dois ambientes escolares vivem sérios problemas.

No Martinho Garcez, a comunidade escolar denuncia que há mais de 1 ano não há merendeira no turno da tarde. Só há um executor de serviços básicos para dar conta de limpar a escola (a unidade de ensino funciona nos três turnos) e o horário da manhã não conta com vigilante. A escola funciona com o Ensino Fundamental (1º ao 9º ano) e Educação para Jovens e Adultos (Ensino Fundamental e Médio).

Os estudantes das 11 turmas de Ensino Médio (nos três turnos) do Gentil Tavares da Mota estão sem professor de Física desde o início do ano letivo (dia 14 de fevereiro). São 427 estudantes das três séries do Ensino Médio que não assistiram a sequer uma aula de Física no ano de 2019. Vale ressaltar que esta é a única escola pública de ensino médio convencional da cidade. O turno da manhã também não conta com merendeira. Também funciona na escola turmas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental.

“É uma situação muito difícil, nós professoras e professores somos cobrados e culpalizados pelos problemas na Educação, mas quem cobra não cumpre com as suas responsabilidades. Como ficarão estes estudantes que passaram metade do ano sem aula de Física?”, questiona Rita de Cássia Santos, coordenadora geral da subsede Agreste do SINTESE.

A coordenadora disse também que irá oficializar denúncia a Diretoria Regional de Educação (DRE’3), a SEDUC e também ao Ministério Público solicitando providências o mais rápido possível.