SEDUC através do pacote "Aprova Brasil" tenta idiotizar e criminalizar o trabalho dos professores

Escrito por Super User Ligado .

O Sintese vem repudiar a política implementada pelo secretário de Educação Josué Passos de mais um pacotemanchete aprovabrasil instrucional para as escolas estaduais, agora chamado de "Aprova Brasil".

 

Para a presidenta do Sintese Ivonete Cruz, "Essa é mais uma ação do Secretário Josué que visa dar continuidade às políticas de desmonte da educação que vinham sendo executadas pelo ex-secretário Jorge Carvalho de alinhamento ideológico a uma educação voltada para atender ao capital. Essa política nega o papel da escola de formação crítica para o exercício da cidadania e visa o estabelecendo de parcerias com empresas e instituições privadas a exemplo da Fundação Lemann".

 

A SEDUC, com mais esse pacote, quer implantar nas escolas estaduais um Projeto de intervenção direcionada, sustentada na pedagogia das habilidades e competências que servem de parâmetro para os exames nacionais (Prova Brasil, Provinha Brasil e ANA), estaduais e municipais. O pacote "Aprova Brasil" significa em sua essência, a desvalorização do papel da escola e do professor na construção do conhecimento com o estudante, sendo substituído por conteúdo raso e sem formulação crítica da realidade.

 

A gravidade dessa política neoliberal empreendida pela SEDUC é que produz efeitos devastadores como a intensificação e a precarização dos processos/condições de trabalho. Apesar da existência de dispositivos legais que apontam na direção da valorização do trabalho docente.

 

A LDB em seu artigo 12, lista as atribuições das unidades de ensino, destacando-se a de elaborar e executar a proposta pedagógica (inciso I) e a de cuidar para que seja cumprido o plano de trabalho de cada docente (inciso IV), porém, o Estado, através da implantação dos pacotes instrucionais ou seus "kits pedagógicos" visa impor o neotecnicismo, o produtivismo pedagógico e a responsabilização do professor/a e da unidade escolar pelo sucesso ou fracasso dos/as estudantes.

 

A professora de matemática, Arlete Silva, da EE Alceu Amoroso diz sobre o material que recebeu “pude observar do material do APROVA BRASIL que aborda os conteúdos de matemática de uma forma superficial e subestima a capacidade de professores e alunos, minimizando a importância do conhecimento produzido coletivamente em sala de aula, alinhado ao fazer pedagógico no processo de ensino – aprendizagem, no qual estudantes e professores juntos formulam e constroem o saber”.

 

É de fundamental importância resgatar que os princípios do trabalho educativo são: a cooperação, a solidariedade, a gestão coletiva e a autonomia e estes devem ser alinhados ao projeto político-pedagógico da escola. Assim, o trabalho educativo é por essência um trabalho criativo, e por isso exige que o profissional tenha condições pedagógicas para controlar os meios, o tempo e os processos de seu próprio trabalho. Portanto, o trabalho educativo é incompatível com o produtivismo gerencialista.

 

Nesse sentido, o Sintese orienta os professores a rejeitar esse pacote da SEDUC. O Sintese orienta, também, que os professores não participem dos treinamentos oferecidos pela SEDUC/Fundação Lemann, entre outras fundações, nem se inscrevam como colaboradores das escolas para imposição desse pacote nas unidades de ensino. A secretaria de educação visa, como esse pacote, responsabilizar os trabalhadores em educação e as escolas  pelos problemas que convivemos na rede estadual como: ausência de investimentos, ausência de formação continuada auto-gestada pelos profissionais da educação e desvalorização salarial dos professores com não pagamento do piso.