Professores e professoras de São Domingos paralisam suas atividades por 3 dias

Escrito por Luana Capistrano Ligado . Publicado em Redes Municipais

Imagine trabalhar e não saber quando vai receber seu salário. E para piorar a situação, ainda receber o salário parcelado. Esta é a realidade dos professores e professoras de São Domingos. Diante da forma desrespeitosa que o prefeito, Pedro da Silva, vem tratando a educação em São Domingos, professores e professoras, vão paralisar suas atividade por três dias, a partir desta segunda-feira (18).

A situação de atraso e parcelamento de salário já se arrasta há quase um ano. Na foto, ocupação dos professores a prefeitura, em outubro de 2018, para reivindicar pagamento em dia

Além do constante atraso e parcelamento de salário, a prefeitura também deve aos professores parte do décimo terceiro salário. Conforme estabelecido por Lei, os professores e professoras deveriam ter recebido no dia 20 de dezembro de 2018, mas até o momento a prefeitura só pagou 45% do décimo terceiro.

O prefeito também desrespeita a Lei que assegura o reajuste do piso salário aos professores. Já são 4 anos (2016, 2017, 2018 e 2019) de salários congelados, sem reajuste. De acordo com a Lei Federal 11.738/2008, professores e professoras da rede pública, de todo o Brasil, devem ter seus salários reajustados, anualmente, sempre no mês de janeiro.

Enquanto os professores e professoras sofrem, o prefeito Pedro Silva parece não se preocupar. Prova disso é que mesmo com todas essas dívidas, no mês de janeiro, a prefeitura deu uma grande festa na cidade.

“Não somos contra festas, mas festejar enquanto pais e mães de família ficam sem salário é muita maldade. Por tanto, prefeito Pedro Silva, respeite as Leis, respeito os professores e professoras, respeite a educação de São Domingos. Esperamos contar com o apoio de toda a população de São Domingos nesta luta por justiça e dignidade”, conclama a coordenadora da subsede do SINTESE, na região Agreste do estado, professora Rita de Cássia.