Carira: sem salário de dezembro e décimo terceiro, professores fazem greve

Escrito por Caroline Santos Ligado . Publicado em Redes Municipais

Ao invés de dialogar com a categoria, prefeito consegue liminar para impedir o movimento do magistério


Valorizar as educadoras e educadores que é bom nada, mas usar a justiça para calar o magistério faz rapidinho. Essa é a tática do prefeito Arodoaldo Chagas (o Negão) prefeito de Carira.

Sem o salário de dezembro, décimo terceiro (dos aniversariantes de julho a dezembro) e reajuste do piso dos anos de 2017, 2018 e 2019 os professores decidiram entrar em greve, mas antes mesmo dela começar já havia liminar impedindo o direito dos professores e professoras de manifestarem o seu desagrado com a política do prefeito de Carira.

Mesmo assim, eles saíram às ruas do município denunciando o prefeito pelo não pagamento dos salários, do décimo terceiro e não cumprimento da lei do piso.

A situação educacional em Carira é ruim em vários sentidos: as escolas precisam urgente de reformas, o transporte, principalmente para estudantes do EJA (Educação para Jovens e Adultos), não tem regularidade, causando evasão escolar.

De acordo com o Censo Escolar (publicado pelo Inep em 2018), nenhuma, das 24 escolas municipais, conta com biblioteca. Menos da metade (11) têm acesso à internet. Só 17 têm serviço de água encanada, três escolas contam com rede de esgoto, e só uma escola tem quadra de esportes.

É preciso que o prefeito de Carira vá além das promessas de campanha e, efetivamente, priorizar a Educação, e isso passa por garantir escolas dignas, transporte e alimentação escolar de qualidade e por valorizar os professores e professoras. E, para isso, é preciso que os direitos destes trabalhadores sejam garantidos.