Imprimir

QUARTA-FEIRA- 30/5: Ato em frente à Petrobras de Aracaju em defesa da democracia, redução do preço do botijão e gasolina

Escrito por Iracema Corso - CUT/SE Ligado . Publicado em Nacional

Em apoio à greve dos petroleiros e dos caminhoneiros, a Frente Brasil Popular vai construir um ato na sede administrativa da Petrobrás em Aracaju a partir das 6h da manhã desta quarta-feira, dia 30 de maio, na luta pela redução do preço do combustível e do gás de cozinha, em defesa da Petrobrás e da democracia.

No contexto de caos social gerado a partir da greve dos caminhoneiros, outras categorias de trabalhadores estão se organizando para a construção de uma greve geral, a exemplo da greve dos petroleiros que começa a partir desta quarta-feira, dia 30 de maio, organizada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), filiada à Central Única dos Trabalhadores (CUT).

“Nós apoiamos a greve dos petroleiros, a greve dos caminhoneiros, queremos combustível e gás de cozinha a preço acessível para a população brasileira e não podemos abrir mão da nossa democracia. O caos é fruto do golpe que já dura dois anos e piorou a vida do povo. Não podemos permitir que o governo de Temer, aliado ao capital internacional, nos roube também a Petrobrás. Defender a Petrobras é defender o Brasil! Mas deixamos claro que não aceitamos o oportunismo de quem estimula o caos para defender intervenção militar. Não aceitamos ver trabalhadores e crianças torturados neste país de novo. A única intervenção que interessa aos trabalhadores é a intervenção do povo e isso se faz com eleições, com a liberdade de Lula e com o direito dele também ser candidato”, explicou Plínio Pugliesi, vice-presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), que integra a Frente Brasil Popular.

Frente Brasil Popular - A Frente foi formada no segundo semestre de 2015, naquela época como organização de resistência em defesa da democracia. Desde seu surgimento, as entidades que compõem a Frente alertavam que a derrubada do governo eleito Dilma Rousseff não seria apenas um golpe contra o governo e seu partido, mas principalmente um golpe contra os direitos da classe trabalhadora. Percebe-se que, na atualidade, as avaliações da Frente Brasil Popular foram acertadas e hoje o governo ilegítimo Michel Temer desmonta os direitos sociais, trabalhistas e previdenciários, conquistados pelo povo brasileiro no último século.

Em Sergipe, a Frente Brasil Popular tem sido um espaço de articulação dessas entidades. Tem entre os integrantes a Central Única dos Trabalhadores (CUT), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos (MOTU), Levante Popular da Juventude, além de partidos de esquerda e outros movimentos sociais.