Imprimir

Prefeito de Cristinápolis retira direitos de professores

Escrito por sintese Ligado . Publicado em Redes Municipais

Em uma atitude arbitrária e desrespeitosa, o prefeito da cidade de Cristinápolis, Raimundo da Silva Leal, aprovou na Câmara de Vereadores projeto de lei que retira diretos dos professores do município. Entre as medidas adotadas está a redução da regência de classe de 20% para 5%, ou seja, um professor com vencimento de R$ 1.779, que antes recebia R$ 355,80 de gratificação de regência de classe passou a receber R$ 88,95.

O prefeito cortou também a redução de carga horária por tempo de serviço. Um direito que serve para preservar a saúde do professor. De acordo com estudos realizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o exercício da docência em sala de aula é um trabalho penoso. Por isso, quando o professor completa 15 anos de sala de aula ele tem direito a redução em sua carga horária. Por exemplo, se ele trabalha 25 horas semanais ao completar 15 anos de sala de aula sua carga horária é reduzida para 20 horas semanais. Quando este professor completa 20 anos de sala de aula sua carga horária é reduzida para 19 horas semanais.

Além disso, com a aprovação do projeto de lei, a apresentação de titulação e o pedido mudança de nível só serão aceitos a parir da avaliação de uma comissão formada por: um representante da Secretaria Municipal de Educação, um representante dos professores e um representante do Recursos Humanos da prefeitura. Esta medida desestimula a busca do professor por melhorias em seu nível de formação, seja através de cursos, pós-graduação, mestrado ou doutorado. Quanto mais qualificação o professor tem melhor para os alunos e para o currículo da escola em que ele ensina. 

Estas atitudes mostram a falta de compromisso do prefeito Raimundo da Silva Leal com o magistério de Cristinápolis. Ao promover estas mudanças descabidas o prefeito destrói a carreira dos professores e humilha a categoria.


Foto: Infonet

Foto: Prefeito de Cristinápolis retira direitos de professores
Em uma atitude arbitrária e desrespeitosa, o prefeito da cidade de Cristinápolis, Raimundo da Silva Leal, aprovou na Câmara de Vereadores projeto de lei que retira diretos dos professores do município. Entre as medidas adotadas está a redução da regência de classe de 20% para 5%, ou seja, um professor com vencimento de R$ 1.779, que antes recebia R$ 355,80 de gratificação de regência de classe passou a receber R$ 88,95.
O prefeito cortou também a redução de carga horária por tempo de serviço. Um direito que serve para preservar a saúde do professor. De acordo com estudos realizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o exercício da docência em sala de aula é um trabalho penoso. Por isso, quando o professor completa 15 anos de sala de aula ele tem direito a redução em sua carga horária. Por exemplo, se ele trabalha 25 horas semanais ao completar 15 anos de sala de aula sua carga horária é reduzida para 20 horas semanais. Quando este professor completa 20 anos de sala de aula sua carga horária é reduzida para 19 horas semanais.
Além disso, com a aprovação do projeto de lei, a apresentação de titulação e o pedido mudança de nível só serão aceitos a parir da avaliação de uma comissão formada por: um representante da Secretaria Municipal de Educação, um representante dos professores e um representante do Recursos Humanos da prefeitura. Esta medida desestimula a busca do professor por melhorias em seu nível de formação, seja através de cursos, pós-graduação, mestrado ou doutorado. Quanto mais qualificação o professor tem melhor para os alunos e para o currículo da escola em que ele ensina. 
Estas atitudes mostram a falta de compromisso do prefeito Raimundo da Silva Leal com o magistério de Cristinápolis. Ao promover estas mudanças descabidas o prefeito destrói a carreira dos professores e humilha a categoria.
Foto: InfonetFoto: Prefeito de Cristinápolis retira direitos de professores Em uma atitude arbitrária e desrespeitosa, o prefeito da cidade de Cristinápolis, Raimundo da Silva Leal, aprovou na Câmara de Vereadores projeto de lei que retira diretos dos professores do município. Entre as medidas adotadas está a redução da regência de classe de 20% para 5%, ou seja, um professor com vencimento de R$ 1.779, que antes recebia R$ 355,80 de gratificação de regência de classe passou a receber R$ 88,95. O prefeito cortou também a redução de carga horária por tempo de serviço. Um direito que serve para preservar a saúde do professor. De acordo com estudos realizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o exercício da docência em sala de aula é um trabalho penoso. Por isso, quando o professor completa 15 anos de sala de aula ele tem direito a redução em sua carga horária. Por exemplo, se ele trabalha 25 horas semanais ao completar 15 anos de sala de aula sua carga horária é reduzida para 20 horas semanais. Quando este professor completa 20 anos de sala de aula sua carga horária é reduzida para 19 horas semanais. Além disso, com a aprovação do projeto de lei, a apresentação de titulação e o pedido mudança de nível só serão aceitos a parir da avaliação de uma comissão formada por: um representante da Secretaria Municipal de Educação, um representante dos professores e um representante do Recursos Humanos da prefeitura. Esta medida desestimula a busca do professor por melhorias em seu nível de formação, seja através de cursos, pós-graduação, mestrado ou doutorado. Quanto mais qualificação o professor tem melhor para os alunos e para o currículo da escola em que ele ensina. Estas atitudes mostram a falta de compromisso do prefeito Raimundo da Silva Leal com o magistério de Cristinápolis. Ao promover estas mudanças descabidas o prefeito destrói a carreira dos professores e humilha a categoria. Foto: Infonet