Imprimir

NOTA DO SINTESE (CERES) SOBRE ATAQUES À ENTIDADE E DESLIGAMENTO DE DIRIGENTE

Escrito por sintese Ligado . Publicado em Sociedade

O CERES , Conselho de Representantes do Sintese, composto pela direção executiva do Sintese, pelos coordenadores de sub-sedes e por representantes de base de Aracaju, reunidos extraordinariamente no dia 05 de Outubro de 2013 , vem a público se manifestar sobre diversas ações externas e internas à entidade, aqui elencadas :

1 – O Sintese vem sofrendo intensos ataques (ofensivos) patrocinados pelo vereador por Aracaju Agamenon Sobral, cujo objetivo é a tentativa de descredibilizar a entidade, bem como os seus dirigentes com denúncias desprovidas de provas, calúnia e difamação. Agamenon Sobral é o instrumento utilizado pelo seu grupo político para tentar enfraquecer o sindicato, visando à desmobilização dos professores na luta pelos seus direitos neste e no próximo governo. O Ceres ratifica o enfrentamento à essa política, com todos os meios legais possíveis para que a verdade seja estabelecida.

2- O Sintese desde o dia 20 de setembro está com o seu site fora do ar em virtude de ataques de “hackers”. Esses ataques têm sido diários, inclusive com objetivos claros, detectados, de ter acesso à informações da entidade: todo o banco de dados, desde os administrativos aos financeiros. Assim, nos posicionamos de forma a tomar as medidas de proteção, e de investigação sobre a origem dos ataques, e as consequentes medidas judiciais.

3- Na última assembleia da categoria, dia 18 de setembro, o Diretor de Bases Municipais José Francisco Andrade (Chiquinho) expôs um documento aos professores, em que fazia uma crítica aberta à direção do Sintese em razão do processo de negociação da revisão salarial do ano de 2013. Na explanação, o professor Francisco leu um documento que afirma, entre outras coisas, que a direção do Sintese combinou com o governo do Estado a desestruturação da carreira do magistério. No dia 04 de outubro, um dia antes da realização deste Ceres, para o qual foi convidado, o Diretor do Departamento de Educação Neilton Diniz Silva, publicou uma postagem no facebook em que informa o seu desligamento da entidade, utilizando-se do argumento , “discordância que tenho dos encaminhamentos da atual direção” em relação à aprovação de uma lei que, segundo ele, depõe incisivamente contra a lei nacional do piso , por ocasião da negociação de revisão salarial de 2013.

Os dois dirigentes, uma vez que até a aprovação deste documento, oficialmente, o Sintese não recebeu comunicação de desligamento, foram convidados a estar presentes nesta reunião extraordinária do Ceres, no entanto não compareceram. Causando-nos surpresas, uma vez que ambos possuem um bom relacionamento com os membros do conselho, que ora fazem parte, e reconhecida condição intelectual de defesa dos seus argumentos.

Assim, os membros deste Conselho, em virtude do posicionamento e do método utilizado por dois dos seus componentes e dirigentes ( Chiquinho e Neilton), e acompanhando todo o processo de negociação entre o Governo e o Sintese, via site, e-mail, perfis nas redes sociais, documentos enviados pelo governo à categoria, documentos enviados pelo Sintese ao Governo, assembleia, e análise da lei de reajuste de 7,97% em 2013, coletivamente deliberou pelos seguintes encaminhamentos:

O posicionamento dos professores Francisco e Neilton foram baseados em análise superficial, fracionada e mal intencionada, cujo objetivo das ações é simplesmente estabelecer conflitos e quebra de credibilidade entre os dirigentes e a categoria. A lei 230/2013, embora apresente problemas que se originam da lei 213/2011, ainda não revogada, e questionada pelo Sintese no STF, em hipótese alguma fere de morte a lei nacional do piso como afirmam os dirigentes, uma vez que princípios basilares defendidos pelos trabalhadores brasileiros na lei nacional não foram alterados pela lei estadual 230/2013, que revisa o piso em 7,97%, assim entendidos: piso no vencimento básico; existência de gratificações na carreira; mesmo percentual de revisão para os professores de nível superior; jornada de trabalho de no mínimo 1/3 fora da sala de aula; e o custo-aluno como referência de revisão do piso. Tudo isso podendo ser comprovado, a partir de uma rápida análise do contra-cheque dos professores.

O CERES ratifica que os compromissos do governo assinados em documento, no tocante à discussão do pagamento do retroativo da revisão de piso deste ano, 7,97% de janeiro a agosto, bem como o percentual de reajuste de piso (22,22%) que temos direito no ano de 2012, serão devidamente cobrados, e, nos nossos espaços deliberativos, estabeleceremos formas de luta para vê-los implementados. O Piso de 2012 revisado na forma da lei, reestabeleceria os patamares de 40% de diferença entre o nível médio e superior, que o governo quebrou a partir da famigerada lei 213/2011, e que deve ser alvo das próximas lutas.
Assim, este CERES entende que os professores Francisco Andrade e Neilton Diniz se apresentam com uma ação de fracionamento do grupo dirigente, e divisionista do movimento do magistério público de Sergipe, além de favorecer os que trabalham para enfraquecer o Sintese. Da mesma forma, este Ceres se posiciona em relação à ex-dirigentes que assim procedem em redes sociais e assembleia da categoria.


Assinam a presente nota os componentes do CERES:

Ângela Melo – Direção
Ivonete Cruz - Direção
Edileide Barrozo - Direção
Janieire Tavares - Direção
Ana Luzia Costa - Direção
Ederaldo Arruda - Direção
Paulo Cesar Lira – Direção
Maria Luci Lima - Direção
Ana Geni de Andrade - Direção
Joel Almeida - Direção
Lúcia Barroso - Direção
Leila Moraes - Direção
Ana Cristina Oliveira - Direção
Ubaldina Fonseca - Direção
Roberto Silva - Direção
Cláudia Oliveira - Direção
Tânia Ivone Lima - Direção
Sandra Morais - Direção
Ellen Leslie Santos - Direção
Uilson Meneses - Direção
Bernadete Pinheiro - Direção
Francisco José Santos - Direção
Adenilde Dantas - Direção
Simone Gama - Direção
Maria José Nascimento - Direção
Sônia Maria Santos - Direção
Francineide Guimarães - Direção
Geise Morais - Direção
Ivônia Ferreira – Sub- Sede Sul
Fabiana Lisboa – Sub-Sede Sul
Maria Augusta Oliveira- Sub-Sede Sul
Dilson do Nascimento – Sub-Sede Sul
Silvio Freire – Sub-Sede Sul
Wanderclan Nascimento – Sub-Sede
Acrísio Gonçalves – Sub Sede Sul
Estefane Lindenberg - Sub -Sede Centro-Sul
Nazon Barbosa – Sub-Sede Centro Sul
Lucia Morais – Sub Sede Centro Sul
Josefa Silveira Alves – Sub Sede Centro Sul
Isa Cristina Oliveira – Sub Sede Centro Sul
Jackson Cláudio da Silva Vieira – Sub Sede Centro Sul
José Edson de Souza- Sub-Sede Centro Sul
Jivaldo Batista Goes- Sub-Sede Centro Sul
Francisco Oliveira – Sub-Sede Sertão
Reginaldo Medrade – Sub- sede Sertão
Palmira Britto – Sub- Sede Sertão
José Luis Pereira – Sub -Sede Sertão
Cloverton Santos- Sub- Sede Sertão
Hugo Hudsney Santana- Sub-Sede Sertão
Maria Zélia Correia Maciel – Sub-Sede Sertão
Enivalda Leite- Sub-Sede Agreste
Rita de Cássia - Sub-Sede Agreste
Maria Terezinha dos Santos – Sub-Sede Agreste
Nadja Milena Santana- Sub-Sede Agreste
Ana Araujo de Gois Barbosa – Sub-Sede Agreste
Ana Lúcia dos Santos – Sub-Sede Agreste
Josefa Magalhães – Sub-Sede Agreste
Antônio Dantas dos Santos- Sub-Sede Agreste
Wilson Melo- Sub-Sede Agreste
Paulo Sérgio dos Santos – Sub-Sede Agreste
Jociene Amorim- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Alberto dos Santos- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Marly Rodrigues - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Benalva dos Santos- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Alecsandra Alves - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Alexsandra Gomes -- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Silvaneide Lima - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Rosinete Oliveira - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Antônio Manoel Bispo - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Rosenilda da Purificação - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Jailson Correia – Sub-Sede Vale do Cotinguiba
Emanuela Pereira- Sub-Sede Vale do Cotinguiba
Rita de Cássia Oliveira - Sub-Sede Vale do Cotinguiba
Edma Silva Meneses – Sub-Sede Vale do Cotinguiba
Márcia Marize Gama – Conselho Nacional de Entidades- CNTE
Eliana Melo- Conselho Nacional de Entidades- CNTE
Jailde dos Passos Professor - Representante de Base de Aracaju
Maria Risonete dos Santos- – Representante de Base de Aracaju
Milton Francisco Pinto- – Representante de Base de Aracaju
Custódia Maria Nascimento Matos – Conselho Fiscal
Dansílvia Oliveira da Silva Carvalho – Conselho Fiscal
Matildes dos Santos - Conselho Fiscal
Edemio Rocha Batista- Conselho Fiscal
Edna Moraes de Souza- Conselho Fiscal
Svetlana Freire Bento – Conselho Fiscal


Foto: NOTA DO SINTESE (CERES) SOBRE ATAQUES À ENTIDADE E DESLIGAMENTO DE DIRIGENTE.
O CERES , Conselho de Representantes do Sintese, composto pela direção executiva do Sintese, pelos coordenadores de sub-sedes e por representantes de base de Aracaju, reunidos extraordinariamente no dia 05 de Outubro de 2013 , vem a público se manifestar sobre diversas ações externas e internas à entidade, aqui elencadas :
1 – O Sintese vem sofrendo intensos ataques (ofensivos) patrocinados pelo vereador por Aracaju Agamenon Sobral, cujo objetivo é a tentativa de descredibilizar a entidade, bem como os seus dirigentes com denúncias desprovidas de provas, calúnia e difamação. Agamenon Sobral é o instrumento utilizado pelo seu grupo político para tentar enfraquecer o sindicato, visando à desmobilização dos professores na luta pelos seus direitos neste e no próximo governo. O Ceres ratifica o enfrentamento à essa política, com todos os meios legais possíveis para que a verdade seja estabelecida.
2- O Sintese desde o dia 20 de setembro está com o seu site fora do ar em virtude de ataques de “hackers”. Esses ataques têm sido diários, inclusive com objetivos claros, detectados, de ter acesso à informações da entidade: todo o banco de dados, desde os administrativos aos financeiros. Assim, nos posicionamos de forma a tomar as medidas de proteção, e de investigação sobre a origem dos ataques, e as consequentes medidas judiciais.
3- Na última assembleia da categoria, dia 18 de setembro, o Diretor de Bases Municipais José Francisco Andrade (Chiquinho) expôs um documento aos professores, em que fazia uma crítica aberta à direção do Sintese em razão do processo de negociação da revisão salarial do ano de 2013. Na explanação, o professor Francisco leu um documento que afirma, entre outras coisas, que a direção do Sintese combinou com o governo do Estado a desestruturação da carreira do magistério. No dia 04 de outubro, um dia antes da realização deste Ceres, para o qual foi convidado, o Diretor do Departamento de Educação Neilton Diniz Silva, publicou uma postagem no facebook em que informa o seu desligamento da entidade, utilizando-se do argumento , “discordância que tenho  dos encaminhamentos da atual direção” em relação à aprovação de uma lei que, segundo ele, depõe incisivamente contra a lei nacional do piso , por ocasião da negociação de revisão salarial de 2013.
Os dois dirigentes, uma vez que até a aprovação deste documento, oficialmente, o Sintese não recebeu comunicação de desligamento, foram convidados a estar presentes nesta reunião extraordinária do Ceres, no entanto não compareceram. Causando-nos surpresas, uma vez que ambos possuem um bom relacionamento com os membros do conselho, que ora fazem parte, e reconhecida condição intelectual de defesa dos seus argumentos.
Assim, os membros deste Conselho, em virtude do posicionamento e do método utilizado por  dois dos seus componentes e dirigentes ( Chiquinho e Neilton), e acompanhando todo o processo de negociação entre o Governo e o Sintese, via site, e-mail, perfis nas redes sociais, documentos enviados pelo governo à categoria, documentos enviados pelo Sintese ao Governo, assembleia, e análise da lei de reajuste de 7,97% em 2013, coletivamente deliberou pelos seguintes encaminhamentos:
O posicionamento dos professores Francisco e Neilton foram baseados em análise superficial, fracionada e mal intencionada, cujo objetivo das ações é simplesmente estabelecer conflitos e quebra de credibilidade entre os dirigentes e a categoria. A lei 230/2013, embora apresente problemas que se originam da lei 213/2011, ainda não revogada, e questionada pelo Sintese no STF, em hipótese alguma fere de morte a lei nacional do piso como afirmam os dirigentes, uma vez que princípios basilares defendidos pelos trabalhadores brasileiros na lei nacional não foram alterados pela lei estadual 230/2013, que revisa o piso em 7,97%, assim entendidos: piso no vencimento básico; existência de gratificações na carreira; mesmo percentual de revisão para os professores de nível superior; jornada de trabalho de no mínimo 1/3 fora da sala de aula; e o custo-aluno como referência de revisão do piso. Tudo isso podendo ser comprovado, a  partir de uma rápida análise do contra-cheque dos professores.
O CERES ratifica que os compromissos do governo assinados em documento, no tocante à discussão do pagamento do retroativo da revisão de piso deste ano, 7,97% de janeiro a agosto, bem como o percentual de reajuste de piso (22,22%) que temos direito no ano de 2012, serão devidamente cobrados, e, nos nossos espaços deliberativos, estabeleceremos formas de luta para vê-los implementados. O Piso de 2012 revisado na forma da lei, reestabeleceria os patamares de  40% de diferença entre o nível  médio e superior, que o governo quebrou a partir da famigerada lei 213/2011, e que deve ser alvo das próximas lutas.
Assim, este CERES entende que os professores Francisco Andrade e Neilton Diniz  se  apresentam com uma ação de fracionamento do grupo dirigente, e divisionista do movimento do magistério público de Sergipe, além de favorecer os que trabalham para enfraquecer o Sintese. Da mesma forma, este Ceres se posiciona em relação à ex-dirigentes que assim procedem em redes sociais e assembleia da categoria.
Assinam a presente nota os componentes do CERES:
Ângela  Melo – Direção
Ivonete  Cruz - Direção
Edileide  Barrozo - Direção
Janieire Tavares - Direção
Ana Luzia Costa  - Direção
Ederaldo  Arruda - Direção
Paulo Cesar Lira – Direção
Maria Luci Lima - Direção
Ana Geni de Andrade  - Direção
Joel  Almeida  - Direção
Lúcia Barroso  - Direção
Leila Moraes - Direção
Ana Cristina Oliveira - Direção
Ubaldina Fonseca - Direção
Roberto Silva  - Direção
Cláudia Oliveira - Direção
Tânia Ivone Lima - Direção
Sandra Morais - Direção
Ellen Leslie Santos - Direção
Uilson  Meneses - Direção
Bernadete Pinheiro - Direção
Francisco José  Santos - Direção
Adenilde  Dantas - Direção
Simone  Gama - Direção
Maria José Nascimento - Direção
Sônia Maria Santos - Direção
Francineide  Guimarães - Direção
Geise  Morais - Direção
Ivônia  Ferreira – Sub- Sede Sul
Fabiana Lisboa – Sub-Sede Sul
Maria Augusta  Oliveira- Sub-Sede Sul
Dilson do Nascimento – Sub-Sede Sul
Silvio Freire – Sub-Sede Sul
Wanderclan Nascimento – Sub-Sede
Acrísio Gonçalves – Sub Sede Sul
Estefane Lindenberg  - Sub -Sede Centro-Sul
Nazon Barbosa – Sub-Sede Centro Sul
Lucia Morais – Sub Sede Centro Sul
Josefa Silveira Alves – Sub Sede Centro Sul
Isa Cristina  Oliveira – Sub Sede Centro Sul
Jackson Cláudio da Silva Vieira – Sub Sede Centro Sul
José Edson de Souza- Sub-Sede Centro Sul
Jivaldo Batista Goes- Sub-Sede Centro Sul
Francisco  Oliveira – Sub-Sede Sertão
Reginaldo Medrade – Sub- sede Sertão
Palmira Britto – Sub- Sede Sertão
José Luis Pereira – Sub -Sede Sertão
Cloverton Santos- Sub- Sede Sertão
Hugo Hudsney Santana- Sub-Sede Sertão
Maria Zélia Correia Maciel – Sub-Sede Sertão
Enivalda Leite-  Sub-Sede Agreste
Rita de Cássia -  Sub-Sede Agreste
Maria Terezinha dos Santos –  Sub-Sede Agreste
Nadja Milena Santana-  Sub-Sede Agreste
Ana Araujo de Gois Barbosa – Sub-Sede Agreste
Ana Lúcia dos Santos – Sub-Sede Agreste
Josefa  Magalhães – Sub-Sede Agreste
Antônio Dantas dos Santos- Sub-Sede Agreste
Wilson Melo- Sub-Sede Agreste
Paulo Sérgio dos Santos – Sub-Sede Agreste
Jociene  Amorim- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Alberto dos Santos- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Marly Rodrigues  - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Benalva dos Santos-  Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Alecsandra Alves  - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Alexsandra Gomes -- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Silvaneide  Lima - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Rosinete Oliveira  - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Antônio Manoel Bispo  - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Rosenilda da Purificação - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II
Jailson Correia  – Sub-Sede Vale do Cotinguiba
Emanuela  Pereira- Sub-Sede Vale do Cotinguiba
Rita de Cássia  Oliveira - Sub-Sede Vale do Cotinguiba
Edma Silva Meneses – Sub-Sede Vale do Cotinguiba
Márcia Marize Gama – Conselho Nacional de Entidades- CNTE
Eliana Melo-  Conselho Nacional de Entidades- CNTE
Jailde dos Passos Professor - Representante de Base de Aracaju
Maria Risonete dos Santos- – Representante de Base de Aracaju
Milton Francisco Pinto- – Representante de Base de Aracaju
Custódia Maria Nascimento Matos – Conselho Fiscal
Dansílvia Oliveira da Silva Carvalho – Conselho Fiscal
Matildes dos Santos - 	Conselho Fiscal
Edemio Rocha Batista- Conselho Fiscal
Edna Moraes de Souza- Conselho Fiscal
Svetlana Freire Bento – Conselho FiscalFoto: NOTA DO SINTESE (CERES) SOBRE ATAQUES À ENTIDADE E DESLIGAMENTO DE DIRIGENTE. O CERES , Conselho de Representantes do Sintese, composto pela direção executiva do Sintese, pelos coordenadores de sub-sedes e por representantes de base de Aracaju, reunidos extraordinariamente no dia 05 de Outubro de 2013 , vem a público se manifestar sobre diversas ações externas e internas à entidade, aqui elencadas : 1 – O Sintese vem sofrendo intensos ataques (ofensivos) patrocinados pelo vereador por Aracaju Agamenon Sobral, cujo objetivo é a tentativa de descredibilizar a entidade, bem como os seus dirigentes com denúncias desprovidas de provas, calúnia e difamação. Agamenon Sobral é o instrumento utilizado pelo seu grupo político para tentar enfraquecer o sindicato, visando à desmobilização dos professores na luta pelos seus direitos neste e no próximo governo. O Ceres ratifica o enfrentamento à essa política, com todos os meios legais possíveis para que a verdade seja estabelecida. 2- O Sintese desde o dia 20 de setembro está com o seu site fora do ar em virtude de ataques de “hackers”. Esses ataques têm sido diários, inclusive com objetivos claros, detectados, de ter acesso à informações da entidade: todo o banco de dados, desde os administrativos aos financeiros. Assim, nos posicionamos de forma a tomar as medidas de proteção, e de investigação sobre a origem dos ataques, e as consequentes medidas judiciais. 3- Na última assembleia da categoria, dia 18 de setembro, o Diretor de Bases Municipais José Francisco Andrade (Chiquinho) expôs um documento aos professores, em que fazia uma crítica aberta à direção do Sintese em razão do processo de negociação da revisão salarial do ano de 2013. Na explanação, o professor Francisco leu um documento que afirma, entre outras coisas, que a direção do Sintese combinou com o governo do Estado a desestruturação da carreira do magistério. No dia 04 de outubro, um dia antes da realização deste Ceres, para o qual foi convidado, o Diretor do Departamento de Educação Neilton Diniz Silva, publicou uma postagem no facebook em que informa o seu desligamento da entidade, utilizando-se do argumento , “discordância que tenho dos encaminhamentos da atual direção” em relação à aprovação de uma lei que, segundo ele, depõe incisivamente contra a lei nacional do piso , por ocasião da negociação de revisão salarial de 2013. Os dois dirigentes, uma vez que até a aprovação deste documento, oficialmente, o Sintese não recebeu comunicação de desligamento, foram convidados a estar presentes nesta reunião extraordinária do Ceres, no entanto não compareceram. Causando-nos surpresas, uma vez que ambos possuem um bom relacionamento com os membros do conselho, que ora fazem parte, e reconhecida condição intelectual de defesa dos seus argumentos. Assim, os membros deste Conselho, em virtude do posicionamento e do método utilizado por dois dos seus componentes e dirigentes ( Chiquinho e Neilton), e acompanhando todo o processo de negociação entre o Governo e o Sintese, via site, e-mail, perfis nas redes sociais, documentos enviados pelo governo à categoria, documentos enviados pelo Sintese ao Governo, assembleia, e análise da lei de reajuste de 7,97% em 2013, coletivamente deliberou pelos seguintes encaminhamentos: O posicionamento dos professores Francisco e Neilton foram baseados em análise superficial, fracionada e mal intencionada, cujo objetivo das ações é simplesmente estabelecer conflitos e quebra de credibilidade entre os dirigentes e a categoria. A lei 230/2013, embora apresente problemas que se originam da lei 213/2011, ainda não revogada, e questionada pelo Sintese no STF, em hipótese alguma fere de morte a lei nacional do piso como afirmam os dirigentes, uma vez que princípios basilares defendidos pelos trabalhadores brasileiros na lei nacional não foram alterados pela lei estadual 230/2013, que revisa o piso em 7,97%, assim entendidos: piso no vencimento básico; existência de gratificações na carreira; mesmo percentual de revisão para os professores de nível superior; jornada de trabalho de no mínimo 1/3 fora da sala de aula; e o custo-aluno como referência de revisão do piso. Tudo isso podendo ser comprovado, a partir de uma rápida análise do contra-cheque dos professores. O CERES ratifica que os compromissos do governo assinados em documento, no tocante à discussão do pagamento do retroativo da revisão de piso deste ano, 7,97% de janeiro a agosto, bem como o percentual de reajuste de piso (22,22%) que temos direito no ano de 2012, serão devidamente cobrados, e, nos nossos espaços deliberativos, estabeleceremos formas de luta para vê-los implementados. O Piso de 2012 revisado na forma da lei, reestabeleceria os patamares de 40% de diferença entre o nível médio e superior, que o governo quebrou a partir da famigerada lei 213/2011, e que deve ser alvo das próximas lutas. Assim, este CERES entende que os professores Francisco Andrade e Neilton Diniz se apresentam com uma ação de fracionamento do grupo dirigente, e divisionista do movimento do magistério público de Sergipe, além de favorecer os que trabalham para enfraquecer o Sintese. Da mesma forma, este Ceres se posiciona em relação à ex-dirigentes que assim procedem em redes sociais e assembleia da categoria. Assinam a presente nota os componentes do CERES: Ângela Melo – Direção Ivonete Cruz - Direção Edileide Barrozo - Direção Janieire Tavares - Direção Ana Luzia Costa - Direção Ederaldo Arruda - Direção Paulo Cesar Lira – Direção Maria Luci Lima - Direção Ana Geni de Andrade - Direção Joel Almeida - Direção Lúcia Barroso - Direção Leila Moraes - Direção Ana Cristina Oliveira - Direção Ubaldina Fonseca - Direção Roberto Silva - Direção Cláudia Oliveira - Direção Tânia Ivone Lima - Direção Sandra Morais - Direção Ellen Leslie Santos - Direção Uilson Meneses - Direção Bernadete Pinheiro - Direção Francisco José Santos - Direção Adenilde Dantas - Direção Simone Gama - Direção Maria José Nascimento - Direção Sônia Maria Santos - Direção Francineide Guimarães - Direção Geise Morais - Direção Ivônia Ferreira – Sub- Sede Sul Fabiana Lisboa – Sub-Sede Sul Maria Augusta Oliveira- Sub-Sede Sul Dilson do Nascimento – Sub-Sede Sul Silvio Freire – Sub-Sede Sul Wanderclan Nascimento – Sub-Sede Acrísio Gonçalves – Sub Sede Sul Estefane Lindenberg - Sub -Sede Centro-Sul Nazon Barbosa – Sub-Sede Centro Sul Lucia Morais – Sub Sede Centro Sul Josefa Silveira Alves – Sub Sede Centro Sul Isa Cristina Oliveira – Sub Sede Centro Sul Jackson Cláudio da Silva Vieira – Sub Sede Centro Sul José Edson de Souza- Sub-Sede Centro Sul Jivaldo Batista Goes- Sub-Sede Centro Sul Francisco Oliveira – Sub-Sede Sertão Reginaldo Medrade – Sub- sede Sertão Palmira Britto – Sub- Sede Sertão José Luis Pereira – Sub -Sede Sertão Cloverton Santos- Sub- Sede Sertão Hugo Hudsney Santana- Sub-Sede Sertão Maria Zélia Correia Maciel – Sub-Sede Sertão Enivalda Leite- Sub-Sede Agreste Rita de Cássia - Sub-Sede Agreste Maria Terezinha dos Santos – Sub-Sede Agreste Nadja Milena Santana- Sub-Sede Agreste Ana Araujo de Gois Barbosa – Sub-Sede Agreste Ana Lúcia dos Santos – Sub-Sede Agreste Josefa Magalhães – Sub-Sede Agreste Antônio Dantas dos Santos- Sub-Sede Agreste Wilson Melo- Sub-Sede Agreste Paulo Sérgio dos Santos – Sub-Sede Agreste Jociene Amorim- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II Alberto dos Santos- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II Marly Rodrigues - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II Benalva dos Santos- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II Alecsandra Alves - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II Alexsandra Gomes -- Sub- Sede Baixo do S. Francisco II Silvaneide Lima - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II Rosinete Oliveira - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II Antônio Manoel Bispo - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II Rosenilda da Purificação - Sub- Sede Baixo do S. Francisco II Jailson Correia – Sub-Sede Vale do Cotinguiba Emanuela Pereira- Sub-Sede Vale do Cotinguiba Rita de Cássia Oliveira - Sub-Sede Vale do Cotinguiba Edma Silva Meneses – Sub-Sede Vale do Cotinguiba Márcia Marize Gama – Conselho Nacional de Entidades- CNTE Eliana Melo- Conselho Nacional de Entidades- CNTE Jailde dos Passos Professor - Representante de Base de Aracaju Maria Risonete dos Santos- – Representante de Base de Aracaju Milton Francisco Pinto- – Representante de Base de Aracaju Custódia Maria Nascimento Matos – Conselho Fiscal Dansílvia Oliveira da Silva Carvalho – Conselho Fiscal Matildes dos Santos - Conselho Fiscal Edemio Rocha Batista- Conselho Fiscal Edna Moraes de Souza- Conselho Fiscal Svetlana Freire Bento – Conselho Fiscal