A liberdade de ensinar e o direito de aprender não devem ser estabelecidos por pensamentos únicos

Escrito por Caroline Santos Ligado . Publicado em XIV Conferência

Ainda na discussão sobre a resistência à Base Nacional Comum Curricular a professora de Direito Mariza Rios da Escola Superior Dom Helder Câmara trouxe que tem se esquecido que o Direito, a legislação, tem que ter como parâmetro a justiça social. Mas que com a lógica liberal e consequente a neoliberal esse parâmetro tem sido deixado de lado.

Com isso que é necessário que se tenha a clareza de que por várias vezes para termos dignidade humana é preciso, por vezes, desobedecer às leis.

No que tange a Educação a resistência à BNCC se dá no sentido de que não é pelo fato de a lei dizer que o currículo deve ser feito somente de uma única maneira, que ele deve, sem nenhuma reflexão ser implantado.

“A Justiça Social está totalmente ligada a ideia de que eu tenho liberdade de ensinar, dentro dos princípios que me levam a formação do cidadão para exercê-la”, aponta Mariza Rios.

Ela continua dizendo que não se pode confundir que tanto a liberdade de ensinar quanto o direito de aprender tem que ser aquilo que um grupo seleto pensa ou sequer de forma individualista.