Carmópolis: professoras e professores farão assembleia para definir rumos da luta

162

A falta de diálogo tem sido uma marca da gestão da prefeita de Carmópolis, Esmeralda Cruz, desde o início de 2023 o SINTESE tem tentado audiências com a gestora municipal, mas tudo que consegue são agendas desmarcadas e promessa não cumpridas.

Por isso, na terça-feira, dia 28, professoras e professores se reunirão em assembleia, às 10h:30, na Escola Municipal Maria Carmem Leite Alves, para deliberar rumos da luta.

As professoras e professores estão sem receber as férias dos meses de julho de 2022 e janeiro de 2023. A gestão municipal não cumpriu com o que determina a Lei e não assegurou a atualização do piso salarial ao magistério municipal de Carmópolis em 2022 e nem neste ano de 2023, muito embora da Lei seja explícita ao estabelecer que a atualização deve ser feita automaticamente em janeiro, de cada ano.

“Fomos diversas vezes na prefeitura, solicitamos marcação de audiência, que quando marcadas eram canceladas. Inclusive na última sexta-feira, dia 24, estivemos mais uma vez na prefeitura para pedir que a prefeita receba os representantes dos professores, mas o procurador do município disse que quem deveria marcar a audiência era a secretaria municipal de educação. Não marcam audiência, ficam num jogo de “empurra empurra” e o professor segue com seus direitos negados. Estamos cansados dessa postura desrespeitosa”, afirma o membro da coordenação do SINTESE na região do Vale do Cotinguiba e professor em Carmópolis, Gilvanir Mendes.

Reforçamos que a atualização do piso salarial é garantida, desde 2008, a professoras e professores da rede pública de todo o Brasil por meio da Lei Nacional 11.738. A atualização deve ser feita de forma automática e assegurando os direitos da carreira, cumprindo decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) e Superior Tribunal de Justiça (STJ).