Escola Estadual São Lourenço resiste e luta contra o fechamento de turmas

95

A luta contra o fechamento de turmas dos anos iniciais do ensino fundamental, da rede estadual, se espalha por todo Sergipe. Na última sexta-feira, dia 16, foi a vez da comunidade da Escola Estadual São Lourenço, localizada no bairro Farolândia, em Aracaju, dizer não a esta política descabida do Governo do Estado.

A comunidade escolar se mobilizou e fez ato em frente à unidade de ensino. Com cartazes e palavras de ordem, mães, pais, estudantes, funcionários, professores e professoras pediam para que a escola não fosse fechada e que seguisse ofertando as matrículas do 1º ano ao 5º ano do ensino fundamental.

O processo de extinção das turmas de 1º ano ao 5º ano culminaria no fechamento da Escola São Lourenço, já que a unidade de ensino atende somente ao público das séries iniciais.

Além de romper o vínculo com as crianças que estudam na Escola São Lourenço, e que terão que ser matriculadas em escolas mais distantes de suas casas, o que gera prejuízos para as famílias e suas dinâmicas, a situação levanta também a outra questão: para onde vão os professores, professoras, funcionários, equipe pedagógica e diretiva caso as turmas sejam extintas e escola seja fechada? O futuro se torna inserto e temerário para os profissionais da educação que estão submetidos a esta ameaça.

Assim como as demais escolas nas quais ocorreram plenárias e atos contra o fechamento de turmas dos anos iniciais do ensino fundamental, a Escola São Lourenço não sofre com falta de matrículas, existe demanda de mães e pais que querem manter seus filhos na Escola, há procura por matrículas. Logo a extinção de matrículas, do 1º ano ao 5º ano, representa um desserviço do Governo do Estado a comunidade do bairro Farolândia.

Ato em frente à Seduc

Dirigentes do SINTESE, presentes no ato, aproveitaram para convocar a comunidade da Escola São Lourenço a participar de uma nova mobilização, na próxima quinta-feira, dia 22, em frente a Secretaria de Estado da Educação (Seduc), às 8h.

O objetivo do ato em frente à Seduc é reunir comunidades escolares de todas as regiões de Sergipe, que estão sofrendo com a ameaça da extinção de matrículas das séries inicias do ensino fundamental, para barrar este desmonte e não permitir que a Seduc, juntamente com o Governo do Estado, siga com uma proposta que ataca frontalmente o direito à educação.