Forte chuva faz forro de teto desabar e alaga Escola na Barra dos Coqueiros

65

Por pouco, e pela coragem de uma professora, um acidente grave não se abateu sobre a Escola Municipal Professora Maria do Céu Sales de Andrade, localizada no munícipio de Barra dos Coqueiros. Com a forte chuva que caiu nesta manhã, de quinta-feira, 4, em praticamente todo o estado, o forro da sala de aula, da turma do segundo período da Escola Professora Maria do Céu, formada por crianças de 4 a 5 anos, desabou. Quando o forro começou a ceder a professora percebeu e conseguiu segurar a parte que estava caindo, antes que desabasse em cima das crianças. A agilidade da professora permitiu que todos saíssem e ninguém ficou ferido.

Além do forro da sala de aula, o prédio da Escola ficou completamente alagado. A água da rua voltava pelos ralos e bueiros e nas demais salas de aula a água da chuva escorria pelas paredes. A situação ficou inviável, as aulas foram canceladas e as crianças encaminhadas para suas casas. No momento do ocorrido, ninguém da equipe diretiva se encontrava na Escola. Todas as decisões para conduzir a situação e ações para acalmar as crianças foram tomadas por professoras e professores.

A Escola Municipal Professora Maria do Céu Sales de Andrade passou por reforma há menos de 2 anos e seu prédio já apresenta sérios problemas. No período de chuva a água invade a escola e no calor a falta de ventilação e climatização adequada para o espaço faz as salas parecerem “saunas de aula”, ou seja, quando crianças, professoras a e professores não sofrem com o calor, sofrem com a chuva.

Descaso e desrespeito fazem professoras e professores paralisar atividades

A realidade da Escola Professora Maria do Céu é uma realidade que se assemelha as demais escolas municipais da Barra dos Coqueiros.  Por isso, na próxima quinta-feira, dia 11, professoras e professores da rede municipal vão paralisar suas atividades.

Além da falta de estrutura dos prédios, nas escolas municipais da Barra faltam materiais pedagógicos e didáticos, como livros, para que professoras e professores possam ministrar suas aulas, ou seja, as mínimas condições de trabalho sequer são oferecidas pela gestão do prefeito Alberto Macedo.

Outro grave problema é com relação a alimentação escolar. Alimentos de baixo teor nutricional, quantidade pouca de comida, falta de variedade dos alimentos, estão entre as principais denúncias feitas por professoras e professores. Sabemos da importância da alimentação escolar para os estudantes, não só como um elemento de fundamental para o aprendizado, afinal, como aprender de barriga vazia? Mas também por seu valor social, uma vez que para um percentual de crianças e adolescentes a alimentação oferecida nas escolas são as únicas refeições dignas que têm acesso.

O desrespeito da gestão municipal também recai sobre professoras e professores. O prefeito Alberto Macedo não cumpriu com a atualização do piso salarial, conforme preconiza a Lei Nacional 11.738/2008, o que gera desvalorização e empobrecimento da categoria.

Devido todo este cenário de desrespeito e descaso, professoras e professores da Barra do Coqueiros decidiram paralisar suas atividades no dia 11 de abril, como explica a dirigente do SINTESE, professora Vera Lúcia.

“Estávamos hoje aqui na Barra dos Coqueiros fazendo mobilização para a paralisação da categoria, no dia 11 de abril, e chegamos na Escola Municipal Professora Maria do Céu e nos deparamos com um cenário de caos. O que o SINTESE denuncia, ao longo dos últimos anos, com relação a falta de estrutura das escolas da Barra, pudemos ver aqui, neste dia de chuva. Professoras e professores estão cansados de enfrentar diariamente dentro das escolas o calor, os alagamentos quando chove, a falta de livros didáticos, a falta de condição de trabalho, a alimentação de má qualidade oferecida aos estudantes e ainda a falta de valorização. Pedimos a compreensão e o apoio da população da Barra dos Coqueiros, estamos lutando por qualidade de ensino e por valorização e esta é uma luta que deve ser de toda a sociedade”, enfatiza a dirigente do SINTESE.

No dia 11 de abril, dia da paralisação, professoras e professores da Barra dos Coqueiros fazem ato em frente à prefeitura municipal, às 8h.