Nota de Repúdio à Gestão do prefeito de Tobias Barreto, Dilson de Agripino

169

Já ouviu o ditado que “uma mentira repetida várias vezes se torna verdade”? É justamente neste caminho que a gestão do prefeito Dilson de Agripino tem tentado seguir, quando o assunto é atualização do piso salarial dos professores e professoras da rede municipal de Tobias Barreto.

Por isso, o SINTESE, a coordenação da subsede deste sindicato na região Centro Sul de Sergipe e professores e professoras da rede municipal de Tobias Barreto, vêm, por meio desta, repudiar a ação da gestão do prefeito, Dilson de Agripino, de negar ao magistério o direito a atualização integral do piso salarial de 2022, conforme prevê a Lei Nacional 11.738/2008.

Em audiência ocorrida no dia 24 de novembro, entre o SINTESE e a gestão municipal, o Secretário Municipal de Administração, Sr. José Avelanje, afirmou falsamente que a atualização do piso de 2022 já estava sendo paga a professores e professoras de Tobias Barreto e que a administração municipal não tinha nada mais para repassar a categoria.

O prefeito Dilson de Agripino deveria estar nesta audiência do dia 24, mas não estava e até a presente data, mesmo com insistência do SINTESE, não se sentou para dialogar com a categoria e explicar o posicionamento de sua gestão, ao faltar com a verdade com relação ao pagamento da atualização do piso aos professores e professoras da rede municipal de Tobias Barreto.

A verdade sobre os fatos é que o percentual para a atualização do piso salarial para 2022, estabelecido por Lei, é de 33,24%. Em maio, a prefeitura de Tobias Barreto pagou 10,06% aos professores e professoras e se comprometeu a negociar com a categoria a forma de pagamento integral do percentual.

A administração municipal de Tobias Barreto chegou até a criar um Grupo de Trabalho para buscar alternativas para o pagamento do percentual total da atualização do piso. Infelizmente, as reuniões não evoluíram e nada foi apresentado ao SINTESE durante o processo de negociação.

Por isso que na audiência do dia 24 de novembro, professores e professoras foram surpreendidos com a fala do Secretário José Avelanje dizendo que a administração municipal de Tobias Barreto já cumpria com a atualização do piso de 2022. Há ainda um ofício assinado por Dilson de Agripino que reforça a versão fantasiosa de que a atualização do piso salarial do magistério está sendo paga no município.

Mais uma vez reafirmamos: A versão da gestão municipal de Tobias Barreto não é a verdade. Do percentual de 33,24%, estabelecido por Lei, para a atualização do piso de 2022, a prefeitura pagou apenas 10,06% aos professores e professoras da rede municipal.

Enquanto nós, professores e professoras de Tobias Barreto, seguirmos em luta, a tentativa de repetir uma mentira até que pareça verdade não vai funcionar por aqui, pois a verdade está aí para quem quiser ver: A prefeitura de Tobias Barreto desrespeita a Lei e NÃO cumpre com a atualização do piso dos professores e professoras, do ano de 2022.

Não adianta a gestão do prefeito Dilson de Agripino tentar negar, afinal, não será negando fatos, que eles deixarão de ser reais.

A Lei Nacional 11.738 afirma que o piso salarial dos professores e professoras deve ser atualizado anualmente, sempre em janeiro. A atualização deve ser feita de forma automática e assegurando os direitos da carreira, cumprindo decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) e Superior Tribunal de Justiça (STJ). O piso é garantido a professores e professoras da rede pública de todo o Brasil, desde 2008.

Seguiremos firmes na luta, confiantes no apoio da Casa Legislativa de nosso município e também da sociedade tobiense. Os professores e professoras não estão pedindo favor, estamos lutando por nosso direito, assegurado por Lei.

Por tanto, Prefeito Dilson de Agripino, cumpra a Lei, respeite o direito dos professores e professoras, respeite a educação e o povo de Tobias Barreto. A luz da verdade há de prevalecer e nossa vitória há de chegar.