Professora suspensa por perseguição em Itaporanga é ouvida em inquérito administrativo

202

Na última sexta, dia 10 de maio, a professora Rosemary Santos Andrade, da rede municipal de ensino de Itaporanga D’Ajuda, foi ouvida no processo de inquérito administrativo instalado na Secretaria Municipal de Educação.

Ela esteve acompanhada da advogada Adele Bispo, que compõe a Assessoria Jurídica do SINTESE. A vice-presidente do SINTESE, Ivônia Ferreira, e diretoras/es e colegas do sindicato também estiveram presentes, mas não puderam entrar na secretaria que teve o portão trancado com cadeado. “Isso só reforça a forma autoritária como é conduzida a educação em Itaporanga”, disse Emanuela Pereira, diretora de Bases Municipais do SINTESE, única diretora que ainda conseguiu entrar no prédio.

Em abril, a professora Rosemary recebeu uma suspensão de 60 dias, sem motivo ou justificativa. “Isso é pura perseguição a esta trabalhadora que apenas exerce seu direito de buscar melhores condições de trabalho e uma educação pública, gratuita e de qualidade”, destacou Ivônia.

De imediato, o SINTESE conseguiu uma liminar para que a professora retornasse imediatamente às suas atividades, concedida pelo juiz da 1ª vara cível e criminal de Itaporanga D’Ajuda, Anderson Clei Santos.

“Esperamos que este inquérito seja concluindo com o resultado correto, mostrando que a professora Rosemary não cometeu nenhum erro, e que este terror de perseguição na educação de Itaporanga acabe”, reforçou a vice-presidente.