Professoras e professores de Canindé de São Francisco vão paralisar atividades na próxima quinta-feira

436

A decisão de cruzar os braços e paralisar as atividades, na quinta-feira, dia 5, veio após a falta de respostas da prefeitura de Canindé as reivindicações feitas por professoras e professores da rede municipal de ensino, em mobilização realizada pela categoria na segunda-feira, dia 2.

Professoras e professores fizeram uma vigília na manhã de segunda e seguiram até a Secretaria Municipal de Administração e Finanças para cobrar respostas da gestão do prefeito Weldo Mariano, sobre: o salário do mês de setembro, que até o presente momento não foi debitado nas contas das professoras e professores e não há previsão de quando será pago; precatórios do FUNDEF; pagamento dos passivos de férias de 2020, a prefeitura tem uma dívida com professores relacionada às férias de 2020.

A gestão municipal decidiu que começaria a pagar os salários das professoras e professores fora do mês trabalhado, sem qualquer justificativa. Agora, o salário do mês de setembro está em atraso e professoras e professores não têm qualquer resposta da prefeitura de que dia o salário será pago.

A postura da gestão de Weldo Mariano não somente onerar e trazer prejuízos para a vida financeira de professoras e professores, como também mexe com a dignidade da categoria, uma vez que salário representa contas pagas em dia, compromissos e comida na mesa do trabalhador.

Com relação ao passivo de férias de 2020 e aos precatórios do FUNDEF, o SINTESE já tem lutado para que haja diálogo e negociação, mas a prefeitura infelizmente tem se esquivado de suas responsabilidades.

Desde do início do ano que o SINTESE tem feito atos e mobilizações em Canindé de São Francisco para que os direitos das professoras e professores sejam respeitados, mas o quase inexistente canal de diálogo, a falta de comprometimento e de vontade política por parte da gestão do prefeito Weldo Mariano tem sido um empecilho.

“Da parte do SINTESE, da parte dos professores, não foi por falta de tentativa de diálogo, de buscar formas de negociação com a gestão municipal, mas tudo que a gente tem visto por parte da gestão do prefeito, Weldo, são promessas não cumpridas, a falta de respostas diante de nossas reivindicações, que não são reivindicações de agora. Tal situação não nos dá outra alternativa a não ser paralisar nossas atividades. Seguimos reafirmando que estamos abertos ao diálogo e a negociação” coloca o coordenado do SINTESE na região do Alto Sertão, Cloverton Santos.

A luta das professoras e professores de Canindé de São Francisco é por direitos, por isso, pedimos o apoio de nossos estudantes, mães, pais, responsáveis e de toda a sociedade de Canindé de São Francisco. Afirmamos categoricamente que a nossa paralisação não trará ônus aos nossos estudantes. Vale sempre lembra que uma educação de qualidade se faz também com a valorização e o respeito aos direitos de professoras, professores e de nossos estudantes.