Rede Estadual: Professoras e professores vão paralisar atividades na próxima terça e quarta

600

Reunidos em assembleia na quinta-feira, dia 18, professoras e professores da Rede Estadual de Ensino decidiram paralisar suas atividades por 2 dias, na próxima terça-feira, dia 23 e na próxima quarta-feira, dia 24.

Na terça-feira, professoras e professores fazem ato em frente à Secretaria de Estado da Educação, em Aracaju, às 8h. Já na quarta-feira os atos serão regionalizados, em todo o estado, nas sete cidades em que o SINTESE possui subsedes.

“Diante do cenário de ausência de proposta concreta do Governo do Estado a nossa pauta de reivindicações para 2024 e dentro da Semana Nacional em defesa da Educação, puxada por nossa Confederação de Trabalhadores em Educação (CNTE), deliberamos no dia 23 e 24 de abril paralisação da Rede Estadual de Ensino, com ato em Aracaju no dia 23 e nas regiões onde estão nossas subsedes no dia 24. Convocamos todas as professoras e professores da Rede Estadual a aderirem a paralisação e estarem presentes na luta por valorização e respeito ao magistério sergipano”, faz o chamamento o presidente do SINTESE, professor Roberto Silva.

Sem respostas concretas

A categoria pede respostas a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e ao Governo do Estado para uma série de reivindicações que vêm sendo postas pelo SINTESE desde as negociações no final do ano passado e no início de 2024.

Na última audiência com o secretário de estado da educação, Zezinho Sobral, que aconteceu no dia 20 de março, o secretário havia prometido a categoria que logo após a Páscoa voltaria a se reunir com o SINTESE para tratar das principais necessidades e reivindicações das professoras e professores para 2024. Embora o SINTESE tenha feito contato, tentado marcar uma nova audiência, para que o canal de diálogo e negociação seguisse aberto, até o momento a audiência prometida não foi marcada.

O presidente do SINTESE conta que o Sindicato, em 2024, já fez atos, paralisação, teve audiências com a Seduc e que agora é necessário respostas concretas.

“Precisamos de respostas concretas a nossa pauta de reivindicação para 2024, que ainda não vieram. Não podemos mais esperar, porque são questões que tratam da valorização do nosso trabalho, das condições de trabalho e direitos que nos vêm sendo negados. Já estamos quase no final de abril e nada de concreto foi apresentado ao magistério estadual pelo Governo do Estado. Buscamos o diálogo, a negociação, mas o Governo do Estado não está seguindo o mesmo caminho”, coloca o presidente.

O SINTESE já enviou ofício ao Governador do Estado, Fábio Mitidieri, no qual comunica a paralisação da categoria e solicita audiência com o governador.

Reivindicações

A atualização do percentual do piso salarial para 2024 está entre reivindicações de professoras e professores. O percentual aprovado pelo MEC para este ano é de 3,62%. O SINTESE tem o entendimento que diante do processo de retomada do Plano de Carreira é necessário que o Governo do Estado assegure o percentual do Piso para que não haja perdas salarias e os patamares conquistados, em janeiro de 2024, não sejam perdidos.

Neste sentido, se faz também necessário o descongelamento da Gratificação de Tempo Integral (GATI), do Triênio e de outras gratificações que se tornaram fixas reajustáveis.

Mais pautas de luta

Além da luta pela atualização do piso, descongelamento da GATI, do Triênio e de outras gratificações que se transformaram em fixas reajustáveis, professores e professoras também reivindicam:

  • Garantia do Auxílio Internet e Auxílio Tecnológico;
  • Convocação do Concurso Público na Rede Estadual de Ensino;
  • Garantia das mínimas condições de Trabalho

Atos Regionais

Na quarta-feira, dia 24 as ações de luta acontecem em todas as regiões do estado. De norte a sul, professoras e professores farão atos em suas regiões para pressionar e mobilizar a opinião pública sobre a necessidade e importância de valorização e respeito por aquelas e aqueles que fazem a educação deste estado e através de suas profissões fazem a juventude sonhar e conquistar um futuro melhor.

– Região do Alto Sertão: ato, na quarta-feira, dia 24, em Nossa Senhora da Glória, na porta da DRE 9, às 8h da manhã;

– Região Sul:  ato, na quarta-feira, dia 24, em Estância, na Praça Barão do Rio Branco, às 8h da manhã.

-Região Centro Sul: ato, na quarta-feira, dia 24, em Lagarto, na porta da DRE 2, às 8h da manhã.

-Região Agreste: ato, na quarta-feira, dia 24, em Itabaiana, com concentração na Praça General João Pessoa, às 8h da manhã e caminhada até DRE 3.

-Região do Vale do Cotinguiba: ato, na quarta-feira, dia 24, em Japaratuba, em frente a DRE 4, às 8h da manhã.

-Região Baixo São Francisco I: ato, na quarta-feira, dia 24, em Propriá, em frente a DRE 6, às 8h da manhã.

-Região Baixo São Francisco II: ato, na quarta-feira, dia 24, em Neópolis, na Praça José Moreno de Santana, às 8h da manhã.

Semana Nacional da Educação

Além da necessidade de paralisar as atividades devido à falta de propostas do Governo do Estado ao logo desses quase 4 meses, a data da paralisação de professoras e professores de Sergipe está dentro da “Semana Nacional em defesa da Educação: PISO, Carreira, PNE, Ensino Médio”.

A Semana, que vai de 22 a 26 de abril, é convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e serão dias de mobilização, paralisação e atos em todo o Brasil.

“A luta por valorização de professoras e professores da rede pública é Nacional e Sergipe se engaja nesta luta mais um vezes, na convicção que educação de qualidade social não é gasto é investimento e que valorizar professoras e professores é valorizar a formação e a importância da educação para as nossas crianças e jovens”, enfatiza o presidente do SINTESE.