Sem salário de julho, professoras e professores de Pacatuba fazem ato na prefeitura do município

66

Dia 8 de agosto e até agora a prefeitura de Pacatuba, que tem à frente a prefeita Manuella Martins, não pagou o salário do mês de julho para professoras e professores. Por isso, a categoria foi até a prefeitura nesta terça-feira, dia 8, para cobrar que seus salários sejam pagos o quanto antes.

Mas a falta de respeito aos direitos não para por aí. Além de não assegurar o salário de julho a professoras e professores da rede municipal de ensino, dentro do mês trabalhado, a prefeita Manuella Martins deve férias; integralização da atualização do piso 2023; parte da atualização do piso salarial de 2022; retroativos do piso salarial de 2017 e 2019. As escolas do município também passam por situação precária e necessitam urgentemente de reformas.

A coordenadora de SINTESE na região do Baixo São Francisco II, professora Alecsandra Alves, fez questão de lembrar que salário é igual a dignidade.

“Nenhum trabalhador merece passar por isso, esperar seu salário sair no final do mês e no oitavo dia do mês subsequente ainda não ter recebido nada. Salário representa dignidade, contas pagas, alimentação, vida. Atrasar salário é negar ao trabalhador sua dignidade e isso não deve ser “admitido” ou “normalizado” em lugar nenhum. Por isso, esperamos que a salário de julho seja pago o quanto antes e que essa situação tão vergonhosa não se repita. Salário deve ser pago dentro do mês trabalhado. É isso que o SINTESE defende”, coloca a professora Alecssandra.

Salários na conta ainda essa semana

A partir da mobilização desta terça-feira, dia 8, professoras, professores e representantes do SINTESE na região conseguiram falar com o Secretário de Administração e com o procurador do município. De acordo com eles o salário de julho das professoras e professores da rede municipal de ensino será pago até a próxima quinta-feira, dia 10.

Além do salário, as professoras e professores vão receber 5% de parte da atualização do piso salarial de 2023, o restante, que ficará faltando para completar os 14,95% de atualização do piso prevista para 2023, será pago em novembro. Os membros da gestão municipal asseguraram ainda que as férias também serão pagas.

Não foi possível dialogar diretamente com a prefeita Manuella Martins, pois ela não estava na prefeitura.

“Nós conseguimos conversar com os membros da gestão da prefeita Manuella, que nos trouxeram estas informações e também nos garantiram que a prefeitura de Pacatuba está se organizando para o que o atraso do salário não ocorra novamente. Garantir salários em dia é o mínimo que se espera que uma gestão municipal. Esperamos que de fato a palavra da prefeitura seja cumprida e que os nossos direitos sejam respeitados. Estamos vigilantes”, alerta a coordenadora do SINTESE, professoras Alecssandra Alves.