Seduc continua com a mesma política de implementação do Ensino Médio em Tempo Integral

275
Dirigentes do SINTESE participam de reunião sobre EMTI no Colégio Estadual Profa. Maria de Lourdes Gois em Riachuelo

Ano iniciado e dessa vez com novo governo e novo secretário da Educação, mas a política continua mesma. A Seduc segue a “cruzada” em transformar as escolas de ensino médio convencional na rede estadual em escolas de Ensino Médio em Tempo Integral.

O alvo da vez é o Colégio Estadual Professora Maria de Lourdes Góis em Riachuelo. Em reunião ocorrida na tarde do dia 02, técnicas que representam o NGETI – Núcleo Gestor do Ensino Médio em Tempo Integral da Seduc e a técnica da Diretoria Regional de Educação – DRE’ 8 apresentaram a modalidade à comunidade escolar e informaram que o Conselho Escolar tem até quinta, dia 05, para formalizar a adesão.

O colégio Maria de Lourdes é o único estabelecimento de ensino da rede estadual na cidade e, por sua vez, o único que oferece o Ensino Médio convencional. Para além, disso as escolas que oferecem o Ensino Médio mais próximas estão nas cidades de Santa Rosa de Lima e Divina Pastora, ambas já funcionam no modelo do Tempo Integral.

Na oportunidade de fala, a professora Ivonete Cruz, dirigente da Base Estadual do SINTESE, fez questionamentos às representantes sobre a política da atual gestão, uma vez que tanto o governador, Fabio Mitidieri, quanto o secretário de Educação, Zezinho Sobral foram empossados no dia anterior.

No decorrer das falas, os professores e professoras também questionaram sobre como seria o processo de seleção dos docentes para atuar nas escolas com Ensino Médio em Tempo Integral. Questões que não foram respondidas por elas, se limitaram a dizer que não tinham conhecimento de como seria o processo por conta do novo governo.

A pergunta que fica: O governo é novo, mas a política segue sendo a mesma?

Ainda no mês de dezembro, em reunião com a comissão de negociação do SINTESE solicitou um prazo de quinze dias para tomar conhecimento das demandas das secretarias e se comprometeu que voltaria a sentar com os representantes do SINTESE

Como se explica, que no dia seguinte a posse, já estejam acontecendo reuniões para implementar novo modelo de Educação com prazo de adesão até o dia 05 de janeiro?

Como fica então o compromisso assumido pelo governador Mitidieri de que as discussões pedagógicas, financeiras e todas as demais questões que envolvem o magistério seriam discutidas a partir da segunda quinzena de janeiro, quando os secretários estivessem mais familiarizados com suas pastas?

O sindicato reafirma a posição histórica de que não é contrário à modalidade de tempo integral em si, mas a forma em que ele é imposto nas escolas.

“O SINTESE vem defendendo ao longo dos anos que a antes da implementação do modelo do Ensino e Tempo Integral faz-se necessário realizar um diagnóstico prévio de vários fatores tanto humanos como estruturais. Temos a clareza que a implantação do modelo de EMTI faz parte das metas estabelecidas pelo PNE (Plano Nacional de Educação) e pelo PEE (Plano Estadual de Educação, no entanto, seguir usando os mesmos métodos usados até o momento, provocara a exclusão dos estudantes e consequentemente o colapso da Educação pública”, afirma a professora Ivonete Cruz.

A dirigente também orienta que os professoras e professoras das escolas da rede estadual que possuem ensino médio na modalidade convencional fiquem atentos e que podem entrar em contato com o SINTESE.