SINTESE se reúne com DRH para tratar da questão de mudança de letra e triênios

933

Depois de análise dos dados disponibilizados na comissão que discute a retomada da carreira, o SINTESE percebeu que diversas professoras e professores não tiveram mudança de letra e consequentemente não tiveram os valores dos triênios alterados, principalmente aqueles que entraram no último concurso. A mudança de letra e o triênio são direitos dos professores estabelecidos no plano de carreira do magistério.

Por isso, nessa segunda, dia 10, o presidente do SINTESE Roberto Silva dos Santos e a diretora do Departamento de Base Estadual Ivonete Cruz estiveram no DRH – Departamento de Recursos Humanos e também no setor de pagamento.

A partir dos questionamentos feitos pelos dirigentes, a diretora do DRH, Fernanda Feitosa Moura e o diretor do Setor de Pagamentos, Vinícius Alcântara da Silva se comprometeram a realizar todas as correções tanto da mudança da letra quanto da atualização dos triênios. A informação é que até agosto essas alterações serão efetivadas. Portanto, professoras e professores, em especial, que entraram na rede no último concurso, observem seus contracheques após o salário de agosto.

Como se dá a mudança de letra e triênio na rede estadual
A mudança da letra a cada três anos e o pagamento do triênio, que corresponde a 5% do valor do Piso Salarial Profissional Nacional de 2021, devido a política de congelamento do governo do Estado em 2022, é um direito dos profissionais do magistério.

Como se dá a “mudança de letra”

A promoção de classe a classe (de A a J), a famosa “mudança de letra”, ocorre a cada três anos, para as professoras nas últimas letras (G,H,I,J) a mudança acontece a cada dois anos. Isso também ocorre com o triênio.

Confira se o valor do seu triênio confere com a sua letra.