Professoras e professores de Poço Redondo paralisam atividades nesta terça-feira

482

A falta de diálogo e a falta de compromisso por parte da gestão municipal de Poço Redondo, que tem a frente a prefeita Aline Vasconcelos, fez com que professores e professoras da rede municipal de ensino de Poço Redondo decidissem paralisar suas atividades nesta terça-feira, dia 17.

Professores e professoras farão um ato, às 9h, em frente a frente à prefeitura.

A gestão municipal havia se comprometido com a categoria que até o dia 11 de maio agendaria uma nova audiência com o objetivo de abrir a negociação e elaborar proposta para o pagamento da atualização do piso salarial de 2022.

No entanto, veio o dia 11 e nada foi apresentado, sequer a administração do município procurou o SINTESE para tentar marcar uma nova data de audiência. Nenhuma justificativa foi dada.

Diante do silêncio, da falta de compromisso e da falta de respeito aos direitos dos professores e professoras, a categoria vai parar por um dia para dialogar com a população sobre os problemas enfrentados pelo magistério poço-redondense.

É importante destacar que o piso salarial do magistério é garantido pela Lei Nacional 11.738, desde 2008. A Lei é taxativa ao colocar que professores e professoras da rede pública, de todo o Brasil, devem ter o piso salarial atualizado anualmente, sempre no mês de janeiro, respeitando a carreira do magistério.

“A gestão municipal de Poço Redondo havia se comprometido com professores e professoras da rede municipal a marcar por meio de ofício, até o dia 11 de maio, uma nova audiência com o SINTESE. Mas até a presente data o SINTESE não recebeu nenhum ofício marcando a audiência. Por isso decidimos paralisar as nossas atividades, porque estamos diante de uma gestão que nega desde janeiro a atualização do piso a professores e professora; que desrespeita os direitos do magistério e que mais uma vez não apresenta nenhuma justificativa para o não agendamento de audiência. Esperamos contar coma compreensão e apoio de pais, mães e estudantes. A luta por uma educação de qualidade social e que valorize os professores é de todos nós”, coloca o coordenado geral do SINTESE na região do alto sertão, professor Cloverton Santos.