São Cristóvão: Prefeitura manda recolher alimentos de escolas

376
Crianças voltaram a ficar sem comida ou consumindo lanches que pouco alimentam

Desde a última terça-feira, 9, caminhões têm parado nas portas das escolas municipais de São Cristóvão    Crianças voltaram a ficar sem comida ou consumindo lanches que pouco alimentampara recolher os alimentos que seriam oferecidos aos estudantes no cardápio da alimentação escolar.

No dia 31 de maio foi exibido pelo SBT, no programa jornalístico Conexão Repórter, que tem a frente o jornalista Roberto Cabrine, denúncia sobre um grande esquema de corrupção no processo licitatório para fornecimento de alimentação escolar às escolas do município de São Cristóvão. O esquema deixou centenas de crianças e adolescentes, estudantes das escolas municipais, consumindo uma alimentação escolar indecorosa ou nenhuma alimentação. Esta reportagem fez com que a prefeita de São Cristóvão, eleita em 2012, Rivanda Farias, renunciasse ao cargo, no dia 2 de junho.   

Após denúncia feita pelo repórter da SBT, Roberto Cabrine, a prefeitura, que com a renúncia de Rivanda Farias, foi assumida pelo vice-prefeito, Jorge Eduardo Santos, passou a enviar para as escolas, que tiveram mais destaque na reportagem, uma grande quantidade de alimentos. Dentre estes alimentos, gêneros que nunca fizeram parte da alimentação escolar oferecida ao estudante de São Cristóvão ou que poucas vezes chegaram às escolas municipais.

No entanto, desde terça-feira, 9, a partir de ordem do Secretário de Educação do município, MárioCaminhão recolhe alimentos da Casa da Merenda de São Cristóvão, que seriam distribuídos entre as escolas municipais Jorge, os alimentos que seriam servidos aos estudantes passaram a ser recolhidos por caminhões da empresa GAMA, sem nenhuma explicação ou motivo.

 Consequência: as escolas voltaram a ficar sem alimentação escolar.

A partir desta manobra dos macabros Senhores da Fome, o SINTESE está encaminhando a denúncia para o FNDE, Ministério da Educação, Tribunal de Contas da União e Controladoria Geral da União, além de solicitar providências urgentes ao Ministério Público Federal (MPF).