Simão Dias: professores e professoras negam proposta feita por gestão municipal para pagamento do piso

490

Essa novela trágica já vimos por aqui. Mais uma vez um gestor municipal quer retirar direitos dos professores e professoras para garantir o pagamento do piso salarial. A nova proposta vergonhosa, desta vez, vem do prefeito de Simão Dias, Cristiano Viana.

Para garantir o piso, a gestão municipal propôs diminuir, a percentuais irrisórios, a diferença dos valores pagos a professores e professoras entre seus níveis de formação acadêmica. Na proposta feita pela prefeitura, um professor pós-graduado, por exemplo, teria 1,24% de ganho real em seu salário.

Diante da tentativa do prefeito de “dar com uma mão e tirar com a outra”, professores e professoras, reunidos em assembleia, ocorrida na última terça-feira, dia 10, recusaram por unanimidade a vergonhosa proposta feita pela prefeitura.

Professores e professoras deliberaram ainda que o SINTESE irá enviar uma contra proposta a administração municipal exigindo o pagamento de piso na integralidade, sem perdas de direitos; irá cobrar também uma nova audiência com a gestão municipal para a próxima semana e professores e professoras seguem em estado permanente de assembleia.

Na noite do dia 11, como também deliberado na assembleia, a categoria foi para a frente da Câmara de Vereadores e fez uma vigília. O diretor do departamento de Bases Municipais do SINTESE, professor Benizário Júnior, fez uma fala na tribuna da casa legislativa e denunciou a tentativa de golpe do prefeito contra professores e professoras de Simão Dias. Além disso, pediu o apoio dos vereadores para que não aprovem um projeto que visa desestruturar a carreira do magistério.

“Não dá para aceitar que para um Lei ser cumprida a gestão municipal tire ou reduza dos professores e professoras direitos garantidos. Isso é sim ‘dar com uma mão e tirar com a outra’, é uma tentativa de ludibriar o trabalhador. A Lei que regulamenta a revisão do piso salarial do magistério [Lei Nacional 11.738/2008] é clara: a nossa carreira deve ser respeitada. Infelizmente, o prefeito de Simão Dias tenta repetir a mesma tragédia de outros municípios, iniciada pelo Governador Belivaldo Chagas. Mas vamos resistir, vai ter luta”, afirma a coordenadora geral do SINTESE na região centro-sul do estado, professora Lúcia Morais.