Japoatã é a próxima cidade a receber a caravana de luta dos professores e professoras da rede estadual

313

Por Luana Capistrano

A caravana de luta da rede estadual não para! Dessa vez, os professores e professoras seguem para Japoatã e farão ato na feira da cidade, na próxima segunda-feira, dia 1 de agosto, às 7h:30. A concentração será em frente à prefeitura.

Percorrer o interior do estado e também diversos pontos da capital, tem sido prioridade na luta para professores e professoras da rede estadual de ensino de Sergipe. O objetivo é seguir lembrando a população sergipana o nome dos 14 deputados e deputadas, que aliados ao Governo Belivaldo Chagas, destruíram a carreira do magistério e acabaram com a paridade entre ativos e aposentados

Relembre o golpe contra professores e professoras

Há quatro meses, no dia 22 de março, professores e professoras, juntamente com demais servidores públicos do estado, estavam em frente a Assembleia Legislativa, para dialogar com deputados e deputadas no intuito de tentar impedir que o Governo do Estado acabasse com uma série de direitos.

A casa legislativa, e seu entorno, estava cercada de um descomunal quantitativo de polícias, como se ali, naquela praça, tivessem bandidos e não trabalhadores e trabalhadoras na luta pela manutenção de seus direitos.

Naquele 22 de março, professores e professoras da rede estadual de ensino de uma só vez tiveram o direito a Regência de Classe incorporado; sofreram o congelamento dos valores do triênio; foi também congelada a gratificação de professores e professoras que trabalham no tempo integral e, para completar, o governo igualou o salário de todos que estão em atividade. Ainda criou um abono sem base legal, que só vai durar até dezembro deste ano, e pago somente para os professores em atividade.

Também na ocasião, Belivaldo Chagas mais uma vez golpeou as professoras aposentadas acabando com a paridade entre professores da ativa e aposentados

Para o presidente do SINTESE, professor Roberto Silva, assim como os professores e professoras, a população de Sergipe não pode esquecer do dia 22 de março

“De uma só vez Belivaldo e seus aliados acabaram com direitos fundamentais na construção de nossa carreira. Depois de 2 anos confiscando 14% das aposentadorias de nossas professoras, sem qualquer cerimônia, ainda termina com a paridade entre ativos e aposentados. O Governo Belivaldo Chagas, e todos que lhe dão suporte, não respeita trabalhadores, não respeita a educação, não respeita professores, não respeita direitos, não respeita o povo de Sergipe. Por isso, não podemos esquecer”, alerta.

Para não esquecer

Relembre os 14 deputados e deputadas que foram cumplices de Belivaldo Chagas no massacre contra a carreira dos professores:

Luciano Pimentel, Vanderbal Marinho, Zezinho Guimarães, Janier Mota, Maísa Mitidieri, Adailton Martins, Garibalde Mendonça, Zezinho Sobral, Francisco Gualberto, Jeferson Andrade, Gracinha Garcez, Capitão Samuel, Goretti Reis e Luciano Bispo.