Pela valorização do magistério estadual: piso e carreira já

2218

SINTESE participa de audiência com SEDUC e Sergipeprevidência.

Na última quarta, dia 15, aconteceu uma nova audiência entre a comissão de negociação do Sintese da rede estadual e a Secretaria de Estado da Educação e Cultura – Seduc e o Sergipeprevidência. Na pauta os dirigentes sindicais reafirmaram a luta pela garantia da atualização do piso, a recuperação da carreira do magistério e o retorno da paridade entre professoras e professores da ativa e aposentados.

O gestor do Sergipeprevidência apresentou dados gerais sobre as receitas e despesas do fundo previdenciário estadual em relação a folha do Magistério e frisou que o maior obstáculo para a paridade entre ativos e aposentados da rede estadual é o déficit nas contas previdenciárias.

No debate, os dirigentes do SINTESE apresentaram estudos detalhados sobre o cenário da previdência estadual e questionaram sobre os dados revelados pelo Sergipeprevidência, pois as análises feitas pelo sindicato mostram que o cenário não é a catástrofe mostrada pelo Governo.

Com isso, uma nova audiência foi marcada para o dia 23 de março, no Sergipeprevidência para que o órgão apresente dados detalhados de despesas e receitas previdenciárias por poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) e por secretarias.

Retomada da carreira

Sobre a recuperação da carreira, o sindicato voltou a cobrar que as secretarias de Educação e Administração apresentem uma proposta de recuperação da carreira, até mesmo por conta da promessa do governador Fabio Mitidieri que em 15 de outubro divulgou carta aos professores e nela afirmava que a gestão apresentaria proposta para a carreira do magistério da rede estadual.

Após longo debate ficou marcada uma nova audiência, dia 22, a partir das 16h, com a participação da Seduc e da Sead. O propósito é que na de próxima audiência sejam apresentadas pelo governo, propostas de recuperação da carreira do Magisterio.

Sobre o abono

Em vários momentos da audiência os dirigentes do SINTESE cobraram insistentemente a manutenção do abono enquanto o processo de negociação da retomada da carreira está em discussão, já que de acordo com lei aprovada em dezembro o abono encerra em março.

O secretário Zezinho Sobral garantiu que “nenhuma professora ou professor ficará desassistido”. O que o magistério da rede estadual espera do governo é respeito e valorização com a retomada dos direitos que foram destruídos ao longo dos anos pelas ações governamentais que não garantiram a atualização do piso na carreira através da retirada, incorporações e congelamentos de direitos.

Paralisação

Dia 22 de março é dia de luta nacional em defesa do piso e carreira.

Em Sergipe, as professoras e professores deliberaram aderir ao dia de luta nacional com paralisação das escolas municipais e estaduais em defesa da atualização do piso, por valorização da carreira e pela manutenção da lei do piso. Em Sergipe acontece ato a partir das 8h no Palácio de Despachos.

“Mobilizem suas escolas, venham para o ato unificado, pois o tamanho da nossa vitória depende do tamanho da nossa luta”, disse o presidente do Sintese, Roberto Silva dos Santos.