Brasil exige política urgente de desarmamento

83

O Colégio Estadual Professora Helena Kolody, de ensino fundamental e médio da cidade de Cambé, no norte do Paraná, presenciou hoje pela manhã, em suas dependências, mais um ataque armado, deixando como saldo uma vítima fatal. O ataque proferido atingiu dois estudantes da escola, levando uma primeira estudante a óbito ainda dentro do espaço escolar e, um segundo, ferido na cabeça, socorrido em estado grave.

O país exige uma política urgente de desarmamento! E, infelizmente, o período mais recente em nosso país forjou criar um clima contrário a essa urgência. O que vimos foi a ampliação das possibilidades de porte de arma pela população civil. Os dados mostram que o número de armas em circulação aumentou progressivamente com o passar dos anos no governo Bolsonaro: se, em 2019, primeiro ano da gestão bolsonarista, tínhamos 140.073 armas em circulação regular no país, em 2021, esse número atingiu 393.136.

Diante desse crescimento exponencial de armas de fogo em mãos de pessoas que não precisam delas, o que se vê é um aumento de casos de violência e de morte, em todos os âmbitos da sociedade. E os comerciantes de armas vendem a ideia para a sociedade que, a população tendo mais acesso a elas, todos/as estariam mais seguros. Pura mentira e balela do poderosíssimo lobby armamentista.

Não existe possibilidade de essa realidade de aumento da circulação de armas de fogo no país não ser a causa do que estamos vendo nesse ano, quando tantas escolas passaram a ser atacadas por jovens portando armas de fogo. É urgente que o país assuma uma política radical de tirar de circulação armas de fogo de nossas ruas. Não se trata de direito algum! Trata-se mesmo de fomentar mais casos de violência e de ataques desses que, consternados mais uma vez, vemos acontecer hoje em Cambé.

Exigimos que o Congresso Nacional e o Governo Federal pautem essa questão urgente. Não mais com demagogias, como foi quando da apresentação no Congresso do Estatuto de Controle de Armas de Fogo que, com o objetivo de substituir o antigo Estatuto do Desarmamento, propõe mais e mais facilidades no acesso a armas. É um escracho o Congresso Nacional continuar a tramitar matérias dessa natureza, que por lá se proliferam como se fosse solução para alguma coisa.

Deixamos aqui nossa solidariedade aos familiares e amigos das vítimas de Cambé, bem como a toda comunidade escolar do Colégio Kolody que se viu obrigada a presenciar mais um ataque dessa natureza. Que não caiamos na panaceia de acreditar em falsas soluções para enfrentarmos esse tipo de situação, que sempre aparecem nesses momentos. Queremos, sim, uma política contundente que tire de circulação armas de fogo em nosso país, que só trazem mais mortes e violência e, somente assim, nossas escolas poderem voltar a ser territórios de paz!

Brasília, 19 de junho de 2023
Direção Executiva da CNTE