SINTESE e ADUFS cobram de ministros valorização dos professores e melhoria da Educação Básica e Superior

1166

Dirigentes do SINTESE e da ADUFS se reuniram com ministro da Educação, Camilo Santana e o ministro Chefe da Secretaria Geral da Presidência, Márcio Macedo para reivindicar medidas a serem tomadas pelo governo Lula que valorizem os profissionais da Educação Básica e do Ensino Superior, bem como melhoria da educação pública brasileira e sergipana.

A reunião ocorreu no Teatro Atheneu, onde aconteceu o lançamento, pelo Ministério da Educação, de programas para Educação Básica: Criança Alfabetizada, Escolas de Tempo Integral e retomada das obras de escolas públicas.

O SINTESE e ADUFS solicitaram diálogo com os ministros, visando apresentar a agenda emergencial dos trabalhadores da Educação.

Pelo SINTESE foi apresentado a necessidade do ministério manter a política de valorização do magistério com atualização do piso salarial e a aprovação da lei de carreira nacional para os professores. O SINTESE colocou, como exemplo, a situação do magistério da Rede Estadual de Sergipe onde os professores estão com carreira destruída pelo Governo do Estado, bem como as medidas tomadas por prefeitos de querer atualizar piso com destruição de direitos. Essa situação deixará de acontecer com uma carreira nacional para o magistério.

Além disso, a direção do SINTESE reafirmou a necessidade de revogação do Novo Ensino Médio, principalmente no cenário de ampliação das escolas de Tempo Integral. O sindicato coloucou também que é preciso pensar em políticas de valorização aos profissionais lotados nestas escolas, bem como assegurar que todos os profissionais da rede de ensino possam lecionar nestas unidades, situação que atualmente tem restrições.

A direção da ADUFS reafirmou necessidade de valorização da carreira dos professores da Educação Superior e o fortalecimento da democracia na Universidade. A UFS atualmente é gerida por um reitor não eleito pela comunidade escolar.

Os dirigentes da ADUFS, também, apontaram para o cenário das licenciaturas que necessitam de políticas para rever o ensino à distância e a garantia de acesso e permanência para os estudantes trabalhadores que estudam ensino noturno, a maioria em licenciaturas.

O ministro apresentou a necessidade de continuar a discussão para valorização dos profissionais da Educação Básica e Superior, de fortalecimento da democracia, e da necessidade de carreira nacional para os professores da Educação Básica e colocou o ministério a disposição do movimento sindical para continuar o debate.

Diante da necessidade do debate nacional, o SINTESE vai dialogar com direção da CNTE para continuar esta discussão com o MEC.