Transferência de prédio de escola estadual causa revolta e ansiedade em Gararu

279

Estudantes, pais, mães, responsáveis, funcionários da escola, professoras e professores têm manifestado a sua discordância com a transferência das atividades do Colégio Estadual Professor José Augusto da Rocha Lima, em Gararu.

A Diretoria Regional de Educação 07 – DRE 7 informou que eles vão ser transferidos de prédio por conta de uma solicitação do município, apesar que, até o momento, não há nenhum documento com essa determinação vindo da Secretaria Estadual de Educação.

A informação que se tem é que a unidade de ensino irá funcionar em um prédio localizado na Fazenda Limoeiro, situada a 1,5 km da cidade, que pertence à Diocese de Propriá.

Os alunos já demonstraram o seu desagrado com a proposta, fizeram um ato em frente a DRE 7 em protesto contra a mudança e entregaram um abaixo assinado na última terça, dia 28.

No mês de janeiro deste ano, a coordenação da subsede do SINTESE no Sertão teve uma conversa com a diretora da DRE 7 e colocou a necessidade de um diálogo profundo com toda a comunidade escolar. A dirigente se comprometeu a realizar essa escuta com todos que fazem a escola, mas isso ainda não aconteceu.

“O clima no Colégio é de inquietação e incertezas, visto que nem a DRE 7, nem a direção do colégio, e tampouco a prefeita do município criaram oportunidades de diálogo com a comunidade escolar, o que se traduz numa falta de respeito para com estudantes, professoras, professores e demais funcionários.”, afirma o professor Djenal Vieira da Silva, que ministra aula no referido colégio e faz parte da coordenação da subsede Sertão.

Em janeiro, a coordenação da subsede Sertão se reuniu com a diretora da DRE7 e colocou a necessidade de diálogo com a comunidade escolar