Lagarto: proposta apresentada pela prefeitura não contempla reivindicação do magistério

558

Por unanimidade os professores e professoras das escolas municipais de Lagarto decidiram em assembleia realizada na manhã desta quinta, 17, rejeitar por unanimidade a proposta apresentada pela administração Hilda Ribeiro.

O município de Lagarto deve ao magistério as atualizações do piso entre os anos de 2014 e 2020 e com isso as perdas salariais giram em torno de 27%, isso sem contar com a revisão de 2022 de 33,23%. A administração apresentou uma proposta de 19% de atualização do piso.

“A expectativa era que a administração apresentasse alternativas que recuperasse as perdas salariais, mas isso não aconteceu, a consequência é a rejeição da proposta apresentada pela prefeita”, afirmou Nazon Barbosa, da coordenação da subsede Centro-Sul.

Os educadores e educadoras decidiram também não participar da jornada pedagógica que acontece no próximo sábado, dia 19. Na segunda, dia 22, a categoria se reúne em nova assembleia para deliberar encaminhamentos de luta.

Na avaliação do sindicato o que falta em Lagarto é vontade política da gestão em valorizar o magistério, pois não há problemas financeiros para aplicar a lei do piso.

“Os professores e professoras estão indignados com o descaso da administração com o magistério, a prefeita sequer recebeu os professores e envia uma proposta vergonhosa como essa. O magistério lagartense quer o que é seu por lei e de direito, nada mais”, afirmou Benizário Júniro, diretor do Departamento de Bases Municipais do SINTESE.