Deputados aprovam menos assistência do Ipesaúde e redução salarial dos servidores

348

Por Iracema Corso – CUT/SE

Mais de 116 mil vidas de sergipanos credenciados no Ipesaúde serão prejudicadas com a aprovação do PL 220/2023 que aconteceu no fim da tarde desta quinta-feira, dia 1° de junho, na Assembleia Legislativa de Sergipe.
A CUT/SE (Central Única dos Trabalhadores), o SINTESE (Professores) e o SINDIJUS (Judiciário) alertaram os parlamentares sobre os malefícios deste projeto de lei que prejudica a saúde e vai reduzir a remuneração dos servidores. Mesmo assim, apenas os deputados estaduais Paulo Júnior (PV), Linda Brasil (Psol),  Georgeo Passos (Cidadania) e Marcos Oliveira (PL) pensaram nas dificuldades enfrentadas pelos servidores e decidiram votar contra o Projeto do Executivo.
O PL 220/2023 reestrutura o Ipesaúde diminuindo o amparo à saúde e aumentando o valor descontado do salário dos servidores, assim a proposta aprovada vai reduzir o salário dos servidores do Estado, que já é rebaixado, pois foram 10 anos sem reajuste.
O valor da alíquota descontada do salário do servidor variava de 0,7 a 2,5%. Com a aprovação do PL, o valor descontado será entre 2% e 4% a depender da idade dos conveniados. Levando-se em consideração a contribuição paga pelo titular, seus dependentes e ascendentes, os servidores terão que pagar um aumento de 50% na contribuição do Ipesaúde.
Além do governador Fábio Mitidieri, os deputados estaduais responsáveis por este absurdo são: Adailton Martins, Áurea Ribeiro, Carminha Paiva, Cristiano Cavalcante, Doutor Samuel, Garibalde Mendonça, Kaká Santos, Lidiane Lucena, Luciano Bispo, Luciano Pimentel, Luizão Donatrampi, Maisa Mitidieri, Manuel Marcos, Marcelo Sobral, Netinho Guimarães, Neto Batalha e Pato Maravilha.
Auditoria no Ipesaúde já
O movimento sindical de Sergipe quer uma auditoria do Ipesaúde já. Tendo em vista que a justificativa do Governo para massacrar os servidores é o rombo no Ipesaúde de quase R$ 200 milhões, o presidente da CUT/SE, Roberto Silva, acompanhou o dia inteiro de sessão plenária e concedeu entrevista para mídia sergipana cobrando respostas sobre este rombo no Ipesaúde.
“O Governo de Sergipe quer destruir o Ipesaúde e vai fazer isso com a ajuda da maioria dos deputados da Alese. Com a redução da assistência e o aumento da cobrança, a tendência é que os servidores se descredenciem do Ipesaúde, o que pode acabar de vez com o Plano”, criticou Roberto Silva.
Coordenador geral do SINDIJUS, Jones Ribeiro questionou: “a quem interessa a destruição do Ipesaúde? Esse projeto só favorece a iniciativa privada e os planos de saúde particulares. Mitidieri e a maioria dos deputados estaduais vão sobrecarregar o SUS, no caso daqueles que não suportarão o aumento da alíquota, e beneficiarão os planos privados de saúde”, declarou Jones.
Desde já a Central Única dos Trabalhadores está convocando uma reunião em sua sede em Aracaju para a próxima quarta-feira, às 9hs da manhã, com todos os sindicatos de servidores do Estado de Sergipe para definir os próximos passos da luta sindical em defesa dos servidores do Estado, do Ipesaúde e da transparência no uso de recurso público de Sergipe.