Nota do SINTESE sobre a assembleia da rede estadual realizada no dia 03 de maio

777

Professoras e professores da rede estadual retornam às aulas nos dias 04 e 05 de maio. NOVA PARALISAÇÃO foi deliberada para os dias 09 e 10, terça e quarta.

As professoras e professores da rede estadual deliberaram em assembleia no dia 27 de abril, paralisação no período de 02 a 05 de maio e acampamento na Assembleia Legislativa com objetivo de dialogar com os deputados e deputadas para que não aprovassem o projeto enviado pelo governo do Estado que apresenta apenas 2,5% de reajuste e reabrisse o processo de negociação.

Durante os dias 02 e 03 uma intensa mobilização do magistério na Praça Fausto Cardoso, nas redes sociais, combinada com uma ação da direção do SINTESE em dialogar com todos os parlamentares estaduais fizeram com que o projeto não fosse votado.

A partir da não votação e da informação do líder no governo na ALESE, que o governador marcará audiência com o SINTESE na próxima segunda, para discussão da retomada da carreira. As professoras e professores da rede estadual decidiram, em respeito aos estudantes, pais, responsáveis e toda a comunidade escolar, a retornar às aulas nos dias 04 e 05, quinta e sexta.

O magistério da rede estadual da ativa (efetivos e contratados) e aposentados continua na mobilização e ocupa a praça Fausto Cardoso nos dias 09 e 10 de maio para avançar no diálogo com os deputados e deputadas estaduais de modo a não aprovarem o projeto dos 2,5% e que se mantenha o processo de negociação com o governador para a retomada da carreira do magistério em 2023. Essa é a pauta da categoria, aprovada nas diversas assembleias ocorridas este ano.

“As professoras e professores da rede estadual da ativa (efetivos e contratados) e aposentados esperam que o governador do Estado tenha a sensibilidade e efetivamente discuta com o SINTESE, um processo de retomada da carreira que se inicie este ano nos patamares aprovados nas assembleias da categoria”, afirma o presidente do SINTESE, Roberto Silva dos Santos.

É importante ressaltar que o magistério sergipano da rede estadual está mobilizado, nas ruas e nas redes sociais e não vai recuar no que diz respeito à valorização profissional. O que o magistério almeja é a retomada da carreira que foi construída com muita luta por homens e mulheres que fazem a Educação pública deste estado.

Sem valorização da Educação e das professoras e professores, Sergipe não tem futuro.