Em ato no Palácio de Despachos, magistério estadual lava a sujeira da Educação de Sergipe

573

Munidos de creolina, água e vassouras, os professores e professoras da rede estadual lavam uma das rampas de acesso do Palácio de Despachos no primeiro dia paralisação, a simbologia do ato é para expurgar as maldades do governo estadual contra o magistério e consequentemente contra a Educação de Sergipe.

“Estamos lavando simbolicamente as maldades que o governo Belivaldo Chagas fez para os professores e professoras e também para a Educação de Sergipe. Não aguentamos mais tanta desvalorização”, disse o presidente do SINTESE, Roberto Silva dos Santos.

Os três dias de paralisação (10, 11 e 12) tem o objetivo de cobrar do governo do Estado que revogue as leis que acabaram com a carreira do magistério. Belivaldo precisa reconhecer que o se fez para o magistério da rede estadual é muito ruim.

“Ele precisa sentar com o SINTESE e discutir a revogação das leis que destruíram a carreira do magistério. A propaganda do governo de que os professores e professoras das escolas estaduais tiveram aumento é enganosa”, afirmou a vice-presidenta do SINTESE Ivonia Ferreira.

Cenário de massacre
Com as leis da degola e da pá de cal, o governo do Estado tirou direitos dos professores ao incorporar a regência de classe, ao congelar os valores do triênio e da gratificação para os que trabalham nas escolas de tempo integral e, para completar, igualou o salário de todos que estão em atividade e ainda acabou com a paridade entre ativos e aposentados.

Não é justo com os professores e nem com a Educação. Atualmente uma professora que entrou no último concurso tem o mesmo vencimento inicial de outra professora que já está há 25 anos em sala de aula. O salário base é o mesmo, independente da sua formação, seja ela somente a licenciatura ou um doutorado.

“A política de desvalorização do magistério empreendida nos últimos anos de não aplicar o piso respeitando o plano de carreira e agora com a aprovação das leis que aconteceram no dia 22 de março terão um impacto futuro extremamente negativo para a Educação, pois com isso os professores não têm mais nenhum estímulo para ampliar a sua capacitação”, explica Roberto.

As maldades do governo Belivaldo Chagas contra o magistério estadual

As professoras e professores aposentados também denunciaram o confisco de 14% nas aposentadorias e reafirmaram, não há mais justificativa para esse confisco nos seus salários.

“Quando mais precisamos de dinheiro para comprar os nossos remédios e ter uma vida digna temos esse desconto, somado a falta de reajuste nos últimos anos. E esse percentual que o governo diz que é aumento, mas não cobre as perdas que tivemos nos últimos anos. A vida da professora e do professor aposentado está muito difícil”, disse Ana Geni Andrade, professora aposentada e diretora do Departamento de Aposentados do SINTESE.

Novos atos
O palco do segundo dia de paralisação, dia 11, será o centro comercial de Aracaju. Logo às 6h da manhã o sindicato está promovendo uma intervenção urbana. A concentração do ato será a partir das 8h no Calçadão da João Pessoa em frente à agência da Caixa Econômica Federal.

Já na quinta, dia 12 a agenda de luta será um “pedágio por direitos” em Aracaju e está divida em dois momentos: o primeiro será no semáforo em frente ao HUSE às 6h30 e o segundo às 16h no cruzamento das avenidas Nova Saneamento e Augusto Franco. Atos acontecerão, também, nas principais cidades do interior sergipano.

Agenda de luta
Foi lembrando também que no dia 21 de maio acontece o segundo mêsvesário das leis da degola e da pá de cal e dessa vez o ato será realizado em Nossa Senhora da Glória. Quem mora em Aracaju e na região metropolitana também pode participar, o SINTESE irá disponibilizar ônibus. Para garantir sua vaga ligue para o sindicato pelo telefone 2104-9800 e solicite falar com o departamento de Base Estadual e deixe seu nome.

No dia 22 de junho o ato será em Itabaiana, com horário e locais sendo divulgados em breve.

A luta contra o confisco de 14% continua, depois do ato em Aracaju, foi aprovada uma nova agenda de atos do “Desamor de Belivaldo às Mães Aposentadas. Horários e locais nos municípios serão informados posteriormente.

04/06 – Propriá
22/06 – Itabaiana
11/6 – Riachuelo
13/6 – Lagarto
20/6 – Japoatã